Pular para o conteúdo principal

Sou Feliz com Jesus


Você conhece a história do hino “Sou Feliz”?
Este hino foi escrito por Horatio Gates Spafford (Nascido em Nova Iorque, 1828), no momento mais sofrido de sua vida. Horatio foi um presbiteriano convertido a Jesus através das pregações do grande avivalistas, D. L. Moody, de quem se tornou grande amigo. Ele foi um próspero advogado na cidade de Chicago. Em 1870, seu filho de apenas quatro anos, morreu em decorrência de uma febre muito forte, o que trouxe grande sofrimento a toda família. No ano seguinte, 1871, sofreu outro abalo, pois ele havia feito grandes investimentos imobiliários em Chicago, mas acabou sofrendo uma grande perda financeira, pois houve um grande incêndio na cidade e a área onde estavam localizado seus investimentos, foi totalmente destruída, este incêndio matou cerca de 250 pessoas e deixou mais de 90 mil desabrigadas. Embora afetado grandemente por essa tragédia, Horatio e sua esposa, Anna, trabalharam intensamente durante dois anos ajudando as vitimas a reestruturarem suas vidas. No ano de 1873, ele decidiu viajar para a Inglaterra com sua família, para descansar e encontrar com seu amigo Moody que estava realizando cruzadas evangelísticas naquele país, Horatio ainda planejava visitar a Europa continental. Todos viajaram para Nova Iorque para então pegar o navio. Mas um compromisso no último momento o impediu de viajar, então ele enviou sua esposa e suas quatros filhas na frente, combinando de encontrar com elas alguns dias depois. Assim elas embarcaram no navio S. S. Ville Du Havre, mas na madrugada de 22 de Novembro de 1873, no Atlântico Norte, o navio se chocou com outro navio inglês e naufragou em apenas 12 minutos, levando 226 pessoas a morte, inclusive, as 4 filhas de Horatio. Apenas 90 pessoas sobreviveram, entre elas, sua esposa Anna, que após ter sido resgata, enviou um bilhete para seu marido, no dia 01 de Dezembro, com a frase: “Salva, porém só”. Imediatamente, Horatio pegou um navio e foi ao encontro de sua esposa. Em um momento de sua viagem, ele foi avisado que estava passando perto do local onde suas filhas haviam morrido e sentiu-se profundamente comovido. Então, voltou para sua cabine e começou a escrever:


Se paz a mais doce me deres gozar,

Se dor a mais forte sofrer,

Oh! seja o que for, tu me fazes saber

Que feliz com Jesus sempre sou!


Sou feliz com Jesus, sou feliz com Jesus, meu Senhor!

Embora me assalte o cruel Satanás
E ataque com vis tentações,
Oh! certo eu estou, apesar de aflições,
Que feliz eu serei com Jesus!

Meu triste pecado, por meu Salvador,
Foi pago de um modo cabal;
Valeu-me o Senhor, oh! mercê sem igual!
Sou feliz! Graças dou a Jesus!

A vinda eu anseio do meu Salvador
Virá conduzir-me ao Lar:
O céu, onde vou para sempre morar
Com remidos na luz do Senhor!

(Titulo original: “IT IS WELL WITH MY SOUL”. Essa é a versão conhecida em português)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…