Pular para o conteúdo principal

A comunhão na santa ceia


A comunhão na Santa Ceia

1Co 11.28-32
28- “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e , assim, coma do pão , e beba do cálice; 29 – pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. 30- Eis a razão porque há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem. 31- Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. 32- Mas, quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.
  O texto acima faz parte das instruções dadas por Deus, através do apostolo Paulo, com referência a santa ceia do Senhor. A santa ceia é um sacramento porque celebra uma aliança com Deus e um com outro.
       Paulo chamou a atenção da igreja de Corinto pela forma com que estavam praticando a santa ceia, a forma que exerciam esse sacramento o invalidava, o tornando distante de seu propósito. No capitulo 11, nos versos 17-20, Paulo chamou a atenção da igreja de corinto por suas divisões, intrigas e partidarismos e ele chegou conclusão que a prática deles não era a ceia do Senhor, conforme 1 Co 11. 20-21: “Quando pois vos reunis no mesmo lugar, não é a ceia do Senhor que comeis. Porque, ao comerdes, cada um toma antecipadamente, a sua própria ceia; e há quem tenha fome, ao passo que há também quem se embriague.” Olhando para esse contexto, percebemos como estava sendo a santa ceia na igreja de Corinto. Reuniam-se em grupos separados, e ali comiam e bebiam. A separação e o partidarismo da igreja de Corinto evidenciavam-se nas divisões na hora de comer a santa ceia. Não havia um entendimento de que a igreja é o corpo de Cristo. Nos capitulos 12,13 e 14, Paulo passou a enfatizar a ideia de que a igreja é o corpo de Cristo,  e unida pelo amor exerce seus dons, sendo cada participante da igreja um membro do mesmo corpo, o corpo de Cristo. O fato de ser o mesmo corpo de Cristo, deveria levar a igreja a refletir sobre a santa ceia como um momento de comunhão do corpo de Cristo. Momento em que todos se juntam com os mesmos propósitos, da comunhão um com o outro e da comunhão de ambos com o Senhor.
          Paulo explicou que o Senhor Jesus na noite que foi traído tomou o pão, deu graças, partiu e deu aos seus discípulos dizendo , “isto é o meu corpo que é dado por vós”, além de falar de seu sacrifício, Jesus já estava falando de seu corpo, quando cada discípulo comeu do pão inclui-se como parte integrante do corpo do Senhor. Depois que comeu com seus discípulos, o Senhor Jesus, tomou um cálice de vinho e o deu aos seus discípulos dizendo  “este cálice é a nova aliança no meu sangue, fazei isto em memória de mim”, Jesus usou o símbolo da aliança judaica, beber do mesmo copo com alguém, simbolizava aliança estabelecida entre as partes, e ele bebeu e seus discípulos beberam também, fazendo ele uma aliança com os discípulos e eles uma aliança um com o outro e com o Senhor também.
          No texto que lemos hoje Paulo fala que antes de comermos  o pão e bebermos o cálice devemos nos auto avaliar “examine-se pois o homem a si mesmo”, e depois dessa avaliação vermos se estamos em comunhão com o Senhor e em comunhão com o seu corpo. Devemos discernir o corpo. Entendemos ainda duas lições essenciais para participarmos da santa Ceia:

1º - É preciso examinar a si mesmo, o próprio corpo. (v.28 2 v. 31).
28- “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e , assim, coma do pão , e beba do cálice; e” 31- Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.” Precisamos examinar a nós mesmos, como estamos vivendo, se temos tido comunhão com o Senhor ou temos praticado o pecado. Quem examina a si mesmo, arrepende-se dos seus pecados, confessa-os, deixa-os e recebe o perdão de Deus.
       2º  - É preciso examinar a comunhão com o corpo de Cristo (v.29 e 30) “ 29 – pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. 30- Eis a razão porque há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem.”
Temos discernido o corpo de Cristo, ou temos vivido sem comunhão com algum membro desse corpo? Temos entendido que o corpo de Cristo é a sua igreja, ou temos nos afastado dele? Como têm sido nossos relacionamentos?
Disse Jesus, conforme Mateus 5.23 e 24:” Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta.”
     Lembre-se a santa ceia é um memorial do que Cristo fez por nós, mas também é um momento de intima comunhão com Senhor Jesus e com o nosso irmão. E não existe sentido dela participar, sem que haja verdadeira comunhão.  Que Deus nos abençoe!                                  (Pr Welinton Mehret)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…