Pular para o conteúdo principal

O dinheiro no ministério de Jesus

               O dinheiro é uma bênção para a vida de todos aqueles que sabem o usar, ele pertence a Deus e é administrado pelos homens; o problema é quando os homens amam mais ao dinheiro do que a Deus, invertendo o valor das riquezas, colocando os bens acima do Senhor. Nesse artigo, iremos aprender que nossos recursos financeiros podem e devem ser investidos no bem, e o maior bem que podemos investir nossas finanças é na obra de Deus. Olhamos para o ministério do Senhor Jesus aqui na terra, e percebemos que ele recebeu ofertas e dinheiro para manter seu próprio ministério.
               Quando Jesus iniciou seu ministério público, ele chamou 12 discípulos para seguirem com ele. Por três anos, ele e seu pequeno grupo viajaram por toda a Palestina, Galiléia, desceram o rio Jordão para as colinas da Judéia e subiram para Jerusalém. Mesmo naqueles dias, quando viajar significava montar sobre um animal, às vezes dormir a céu aberto, buscar abrigo em casa de amigos e manter tantas pessoas na estrada, o gasto devia ser considerável. Alimentação e roupas para doze ou mais pessoas, dia após dia, semana após semana, exigiam que Jesus tivesse dinheiro o suficiente para as provisões. Mas, de onde vinha o dinheiro? A Bíblia nos fala de parceiros  do ministério de Jesus que o ajudavam com o sustento. Vejamos esse fato em Lucas 8. 1-3(NVI): Depois disso Jesus ia passando pelas cidades e povoados proclamando as boas novas do Reino de Deus. Os Doze estavam com ele,2 e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças: Maria, chamada Madalena, de quem haviam saído sete demônios;3 Joana, mulher de Cuza, administrador da casa de Herodes; Susana e muitas outras. Essas mulheres ajudavam a sustentá-los com os seus bens.” Essas mulheres relatadas e muitas outras ajudavam no sustento de Jesus com seus doze discípulos, e em Jo 12.v 6, temos a informação que Judas era o tesoureiro dos discípulos e de Jesus, apesar de ser o traidor, e que ele até roubava das ofertas que eram dadas a Cristo e aos discípulos.
Mas, apesar disso, notamos que no ministério de Jesus, sempre houve a necessidade das contribuições financeiras.
           Sendo assim, nas nossas finanças, é desejo de Deus que tenhamos um propósito espiritual, que é de levar o     evangelho, através dos dízimos e ofertas.

         Dizimar e ofertar são formas poderosas de nos ligarmos ao que Deus está fazendo no mundo. O dizimo combinado de toda uma congregação gera fundos para sustentar as obras de uma igreja, estruturar o Corpo de Cristo,  servir aos pobres, sustentar missões , ajudar na pregação por rádio, TV ou internet, ajudar no sustento de pastores e dos ministérios da igreja que precisam sempre de recursos. Aquelas mulheres relatadas em Lucas 8.1-3, que lemos anteriormente, fizeram uma parte essencial no ministério de Cristo. Por isso, quando estamos dizimando e ofertando, não apenas estamos cumprindo uma determinação Bíblica, mas também estamos cumprindo o mandamento de irmos e pregarmos o evangelho. Pois a missão é feita também pelas mãos que contribuem.

Deus te abençoe!
Pr Welinton Mehret

        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…