Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A pregação do evangelho através de Filipe, e a nossa pregação.


Texto Base: Atos 8.1-8

1 E Saulo consentia na sua morte. Naquele dia, levantou-se grande perseguição contra a igreja em Jerusalém; e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria.

2 Alguns homens piedosos sepultaram Estêvão e fizeram grande pranto sobre ele.

3 Saulo, porém, assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere.

4 Entrementes, os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra.

5 Filipe, descendo à cidade de Samaria, anunciava-lhes a Cristo.

6 As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo-as e vendo os sinais que ele operava.7 Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados. 8 E houve grande alegria naquela cidade.

         A narrativa do livro de Atos dos apóstolos começa com muita paz e crescimento da igreja. Mas no capitulo 6 e7, vemos a perseguição a igreja se levantando no meio dos judeus. Então houve uma dispersão da igreja para as regiões da Judéia e Samaria.

         Em Atos 1.8 temos a ordem de Jesus, dada a sua igreja para serem testemunhas em Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra. “1.8 mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.”.  Porém a igreja estava bem tranquila e acomodada em Jerusalém.

Logo após Lucas narrar a história da vida e morte do diácono Estevão, passa narrar a história de Filipe. Lucas faz três  relatos e, Atos, o primeiro é sobre Estevão, o segundo sobre Filipe e o terceiro sobre Paulo ( o perseguidor da igreja que tornou-se um pregador do Evangelho).

Estevão, contribuiu para a proclamação do Evangelho aos gentios (não Judeus), ensinou sobre o templo, a lei e Cristo, mostrando que o Evangelho era para todos que cressem em Cristo Jesus ressurreto.

Lucas agora passa a mostrar o ministério de Filipe com os samaritanos e com um Etíope.

Os resultados do martírio de Estevão foram:
Grande perseguição contra a Igreja de Jerusalém,  o que levou a igreja a dispersão, e por onde foram dispersos, nasceram outras igrejas.
Grande dispersão da Igreja
Grande evangelização pela Igreja

           O  diabo tentou destruir a Igreja, matando Estevão e dispersando a Igreja, John Stott disse que, “a perseguição apenas espalhou os cristãos” e Bengel comentou este texto de Atos dizendo, “o vento aumenta a chama”. Quanto mais vento o diabo soprava contra a Igreja, mais a chama do Evangelho se espalhava. Vale lembrar que os pregadores, evangelizadores não eram de tempo integral, a medida que eles seguiam seus caminhos e tentavam recomeçar suas vidas em outro lugar, proclamavam as Boas novas em cada região que passavam, eram “missionários amadores anônimos”.

              Tendo mostrado os resultados da morte de Estevão, Lucas passa a relatar dois grandes exemplos da evangelização primitiva, onde Filipe é o protagonista. Dos versos 4-8  temos a evangelização de Filipe na Samaria, terra que os judeus não gostavam. Dos versos 9-13, temos o relato da conversão de um homem chamado Simão. Dos versos 26-38, Filipe encontra-se evangelizando um etíope, eunuco, oficial da rainha de Candence. Dos versos 39-40, Filipe foi tirado pelo Espírito Santo de diante do Etíope e foi levado até Azoto, onde continuou pregando o Evangelho entre aquelas pessoas.
Vejamos agora a audácia de Filipe em sua evangelização:

1)      Filipe foi um homem que pregou para aqueles que ninguém queria pregar  (v.5)

5 Filipe, descendo à cidade de Samaria, anunciava-lhes a Cristo.

        Jesus disse que seus discípulos, seriam testemunhas em Jerusalém,  Judéia e Samaria, e Filipe estava indo pregar  em Samaria, mesmo que essa cidade não fosse querida pelos Judeus.

A grande hostilidade entre Judeus e Samaritanos existia há 1000 anos, teve início no fim da monarquia no século X a.C, quando as dez tribos desertaram e fizeram Samaria sua capital, e apenas duas tribos permaneceram leais  a Jerusalém, Israel dividiu-se em reino do Sul e do norte, as tribos dividiram-se em reino do sul e reino do norte. No ano de 722 a.C o império Assírio, invadiu o reino do norte, este tinha reino do Norte a  capital foi Samaria, mais tarde o reino do norte e conseqüentemente Samaria foram destruídos e levados cativos, seu país foi repovoado por estrangeiros.

No século VI a.C, os Judeus, do reino do Sul, voltaram para sua terra, mas recusaram a ajuda dos samaritanos para reconstrução do templo. Mas o maior cisma entre Judeus e Samaritanos aconteceu no ano IV a.C, quando os samaritanos construíram um outro templo, localizado no monte Gerizim, e além disso, os Samaritanos rejeitavam o Antigo Testamento, os únicos livros que liam e ensinavam eram Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Rejeitaram o templo de Deus que estava entre os Judeus e rejeitaram a palavra de Deus que os judeus tinham, mantendo-se apenas com a Torá ( Genesis a deuteronômio) . Isso tudo, históricmente causou um grande mal-estar entre Judeus e Samaritanos.

Mas, Filipe foi até estas pessoas para pregar a Palavra de Deus, ninguém tolerava os samaritanos, eram odiados, considerados hereges e blasfemos, porém Filipe não importava com isso, ele não fazia distinção de pessoas, na sua visão todos precisavam de forma igual receber as Boas Novas, o anúncio que o Messias era Jesus, o Cristo ressuscitado.

Quantas vezes nós pregamos apenas para aquelas pessoas que nos convém, escolhemos quem o Evangelho deve alcançar. Por exemplo, muitas vezes pregamos apenas para aquelas pessoas que são mais receptíveis ao Evangelho, ou para aquelas que são “bondosas", levam uma vida integra diante da sociedade e temos a certeza que ao ouvirem a mensagem do Caminho, mesmo não aceitando serão simpáticos conosco e assim não sentiremos medo e rejeição.

Filipe foi um homem que pregou para aqueles que ninguém queria pregar.

Mas você me pergunta, quais são aqueles que ninguém quer pregar no século XXI? E porque não querem pregar?
Essa resposta é muito fácil de responder, primeiro quem são os samaritanos do nosso tempo? Traficantes, usuários de drogas e bebidas alcoólicas, prostitutas, travestis, gays, lésbicas, presidiários, criminosos, orgulhosos, pessoas marginalizadas, pessoas odiadas pelo mundo.
 Porque as pessoas não querem pregar para estes? Medo, ódio, raiva, preconceito, intolerância, falta de tempo e falta de um encontro verdadeiro com Jesus Cristo.
Mas Filipe foi um homem que pregou para aqueles que ninguém quis pregar.

2)      Quais foram os resultados da pregação de Filipe? ( v,6-8)

6 As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo-as e vendo os sinais que ele operava.7 Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados. 8 E houve grande alegria naquela cidade.

              Na medida em que Filipe anunciava Cristo, as pessoas começaram a ser curadas das suas enfermidades, os espíritos imundos estava sendo expulsos, toda multidão de forma unânime, atendia as coisas que Filipe dizia e com esta combinação de salvação e cura, Filipe levou para os samaritanos a alegria, trouxe um novo significado  na vida daquelas pessoas.

Quando pregamos o Evangelho às pessoas são curadas, fisicamente, emocionalmente e espiritualmente. O poder não era de Filipe, mas da pessoa que ele anunciava ( Jesus Cristo), as curas não foram para trazer prestígio para Filipe, porém para glorificar o nome de Jesus e trazer salvação para aquelas pessoas.

Precisamos mostrar para as pessoas quão grave é o pecado que elas estão, quão enfermas elas estão, não devemos ficar presos em formulas miraculosas de evangelização, quatro pontos disso, leis espirituais daquilo outro, mas anunciar o Reino de Deus na sua integra.

Nossa pregação deve ir para além das fronteiras da comunidade que estamos inseridos, temos o dever de ir até os samaritanos, o que Jesus disse aos seus discípulos em Atos 1.8, “...sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém, em toda Judéia, SAMARIA e até os confins da terra”.


Quando formos até aqueles que ninguém quer ir, seremos usados como fonte de restauração, libertação, resignificação e salvação das pessoas.

Se envolva em missões, vá até aqueles que ninguém quer ir, certamente Deus estará com você e conduzirá sua vida da melhor maneira possível. Peça a Deus para tirar o medo, ódio, raiva, preconceito, intolerância e falta de tempo.

Filipe foi um homem que pregava para aqueles que ninguém queria pregar.

Será que existe um Filipe dentro de você? Se não, peça a Deus para balançar sua vida e fazer de você um Filipe do século XXI.

Deus abençoe sua vida sempre!

Baseado em Leandro Louzada: http://refugioteologico.blogspot.com.br/
 

terça-feira, 13 de novembro de 2012

O dinheiro no ministério de Jesus

               O dinheiro é uma bênção para a vida de todos aqueles que sabem o usar, ele pertence a Deus e é administrado pelos homens; o problema é quando os homens amam mais ao dinheiro do que a Deus, invertendo o valor das riquezas, colocando os bens acima do Senhor. Nesse artigo, iremos aprender que nossos recursos financeiros podem e devem ser investidos no bem, e o maior bem que podemos investir nossas finanças é na obra de Deus. Olhamos para o ministério do Senhor Jesus aqui na terra, e percebemos que ele recebeu ofertas e dinheiro para manter seu próprio ministério.
               Quando Jesus iniciou seu ministério público, ele chamou 12 discípulos para seguirem com ele. Por três anos, ele e seu pequeno grupo viajaram por toda a Palestina, Galiléia, desceram o rio Jordão para as colinas da Judéia e subiram para Jerusalém. Mesmo naqueles dias, quando viajar significava montar sobre um animal, às vezes dormir a céu aberto, buscar abrigo em casa de amigos e manter tantas pessoas na estrada, o gasto devia ser considerável. Alimentação e roupas para doze ou mais pessoas, dia após dia, semana após semana, exigiam que Jesus tivesse dinheiro o suficiente para as provisões. Mas, de onde vinha o dinheiro? A Bíblia nos fala de parceiros  do ministério de Jesus que o ajudavam com o sustento. Vejamos esse fato em Lucas 8. 1-3(NVI): Depois disso Jesus ia passando pelas cidades e povoados proclamando as boas novas do Reino de Deus. Os Doze estavam com ele,2 e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças: Maria, chamada Madalena, de quem haviam saído sete demônios;3 Joana, mulher de Cuza, administrador da casa de Herodes; Susana e muitas outras. Essas mulheres ajudavam a sustentá-los com os seus bens.” Essas mulheres relatadas e muitas outras ajudavam no sustento de Jesus com seus doze discípulos, e em Jo 12.v 6, temos a informação que Judas era o tesoureiro dos discípulos e de Jesus, apesar de ser o traidor, e que ele até roubava das ofertas que eram dadas a Cristo e aos discípulos.
Mas, apesar disso, notamos que no ministério de Jesus, sempre houve a necessidade das contribuições financeiras.
           Sendo assim, nas nossas finanças, é desejo de Deus que tenhamos um propósito espiritual, que é de levar o     evangelho, através dos dízimos e ofertas.

         Dizimar e ofertar são formas poderosas de nos ligarmos ao que Deus está fazendo no mundo. O dizimo combinado de toda uma congregação gera fundos para sustentar as obras de uma igreja, estruturar o Corpo de Cristo,  servir aos pobres, sustentar missões , ajudar na pregação por rádio, TV ou internet, ajudar no sustento de pastores e dos ministérios da igreja que precisam sempre de recursos. Aquelas mulheres relatadas em Lucas 8.1-3, que lemos anteriormente, fizeram uma parte essencial no ministério de Cristo. Por isso, quando estamos dizimando e ofertando, não apenas estamos cumprindo uma determinação Bíblica, mas também estamos cumprindo o mandamento de irmos e pregarmos o evangelho. Pois a missão é feita também pelas mãos que contribuem.

Deus te abençoe!
Pr Welinton Mehret

        

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Se quiserdes e me ouvirdes

Isaías 1.19 “Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra.”

        Quantas vezes estamos fazendo tudo certo, estamos obedecendo a Deus, mas olhamos para as situações difíceis da vida, e nos perguntamos: “- Por que tudo está difícil, se estou fazendo tudo certo e obedecendo a Deus?”. E até questionamos a Deus e pensamos: “Por que Deus não está me abençoando, se tenho feito sua vontade, vou à igreja, participo dos cultos e até dou o dizimo”. A dificuldade que acontece, nos leva a questionarmos a palavra e a vontade de Deus, e pensamos: - “será que Deus mentiu?” Não . É claro que não mentiu. Na verdade nessas situações o erro não está em Deus , como pensamos, mas em nós, pois Deus é perfeito e nós que somos pecadores.
          Deus falou através do profeta Isaías no texto que lemos acima, que se quisermos e o ouvirmos, comeremos o melhor dessa terra. A palavra aqui “ouvirdes” está no sentido da obediência, e logo concluímos que se temos obedecido, Deus “tem” que nos abençoar, pois o texto nos diz que se o ouvirmos comeremos o melhor desta terra, e aí surgem os questionamentos. Mas, o texto não diz apenas para obedecermos, mas para querermos obedecer , se “quiserdes e me ouvirdes”.
        A verdade é, que a bênção condicionada a obediência, é precedida pelo querer humano. Ou seja, primeiro eu tenho que querer obedecer, segundo eu tenho que obedecer voluntariamente a Deus e aí sim o resultado será a bênção do Senhor.
           Quem sabe, estamos fazendo tudo certo para Deus aos nossos olhos, oramos, participamos do culto, dizimamos, ofertamos, pregamos o evangelho e até ganhamos vidas, mas fazemos tudo isso como uma obrigação, e no coração desejamos ser por Deus recompensados por essa “obediência”, mas nossos corações não expressam a Deus, o mesmo desejo de nossos atos. Muitas vezes, não temos recebido o que Deus chama de “ o melhor dessa terra”, porque não estamos preparados, estamos obedecendo, mas não existe uma preparação interior de obedecer a Deus.
         Então, o que precisamos fazer para sermos realmente abençoados por Deus? Precisamos ajustar o nosso coração com a nossa obediência a Deus. Primeiro eu preciso querer obedecer, depois obedecerei e aí sim virão as bênçãos de Deus.
          Então, analíse suas intenções, peça perdão pelos seus erros, e queira obedecer.

Deus abençoe a todos!



Pr Welinton.

Veja:Senhor, ensina-nos a orar