Pular para o conteúdo principal

Jogando cartas, com as cartas de Pedro e Paulo

1 Co 6.12 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.
Embora haja indícios de que os jogos de cartas teriam surgido na China juntamente com o papel, há outros que apontam uma origem árabe. De qualquer modo, o baralho foi introduzido na Europa durante o século XIV. E a partir do século XV, o desenvolvimento dos processos de impressão e de fabricação de papel propiciou a popularização do baralho em vários países. Em meados do século XV surgiu em Portugal um tipo de baralho, cuja origem se desconhece e cujo desenho passou a ser conhecido por baralho português. Este baralho difundiu-se pelo Oriente, levado pelos navios portugueses, sendo mais tarde imitado e adaptado à sua própria cultura, por japoneses, indonésios e indianos. O padrão português acabou por se extinguir em finais do séc. XIX, em detrimento do padrão francês, universalmente aceito na actualidade. Apesar desta existência antiga, as cartas do baralho português só foram fabricadas em Portugal a partir de 1769, quando foi criada a Real Fábrica de Cartas de Jogar de Lisboa, anexa à Impressão Régia. O antecedente do baralho português foi o baralho francês .
Há quem acredite que o baralho foi inventado pelo pintor francês Jacquemin Gringonneur, sob encomenda do rei Carlos VI de França, segundo essa tradição histórica as cartas foram criadas no ano de 1392, para uso pessoal do rei Carlos da França, quando este sofria debilidade mental.A loucrura de Carlos era evidênte, que para defender a honra do Condestável, Carlos organizou uma expedição punitiva contra a Bretanha, mas a meio do caminho sofreu um ataque de demência psicótica, o primeiro sinal do distúrbio bipolar que o afectou até ao fim da vida. Carlos se recuperou, mas por pouco tempo. A partir de então, as crises sucederam-se com intervalos de lucidez curtos e espaçados. Em 1392, o episódio da travessia da floresta du Mans marcou o início da loucura: em pânico, teve que ser amarrado sobre uma carruagem. No ano seguinte o acidente do bal des Ardents confirmou a doença. O Rei Carlos era um homem degenerado e mau, que escarnecia de Deus e de seus mandamentos. Para a criação do baralho ele escolheu figuras bíblicas: o rei representa o diabo, a dama representa Maria, a mãe do Senhor. Gringonneur desenvolveu as cartas do jogo de forma que representassem a divisão da sociedade francesa através de seus naipes, sendo copas o clero; espadas a nobreza; paus os camponeses; ouro a burguesia. Mais tarde, atribuíram-se significados específicos às cartas com figuras, representando personalidades históricas e bíblicas. São elas: Rei de Ouros - Júlio César, geralmente portando um machado que simboliza as legiões romanas;
 Rei de Espadas - o rei israelita Davi;
Rei de Copas - o rei Carlos Magno;
Rei de Paus - Alexandre, o Grande;
Dama de Ouros - Raquel, esposa de Jacó;
Dama de Espadas - A deusa grega Atena;
 Dama de Copas - Judite, personagem bíblica católica;
Dama de Paus - Elizabeth I de Inglaterra;
Valete de Ouros - Heitor, Príncipe de Tróia;
Valete de Espadas - Hogier, primo de Carlos Magno;
Valete de Copas - La Hire (Étienne de Vignolles);
Valete de Paus - Sir Lancelot.
Para os cartomantes, essas mesmas cartas também tem um significado mistico, e o sorteio e leitura das mesmas, podem significar na adivinhação um destino, um sentimento ou rumo futuro dado espiritualmente à uma pessoa. O seguinte link nos descreve algumas coisas: http://emmanuelcartomancia.blogspot.com.br/2007/01/mais-um-significado-para-as-cartas-do.html
"Cartas de ouros
Ás: Sucesso, êxito 2: noivado, compromisso
3: amigos, colegas 4: casa, lar
5: proposta, convite
6: diversão, festas
7: rever alguém, visita
8: pensamento
9: apoio, ajuda
10: novidades, boas notícias
 J: rapaz bom Q: a consulente
K: homem bom
Cartas de copas
Ás: Declaração, palavras de amor
 2: conversa, telefonema
3: passeio, viagem
4: alegria, prazer
5: esperança, melhora
6: casamento, sexo
7: tristeza, lágrimas
8: ganho inesperado, $
9: herança, bem a receber
10: presente (tempo), presente (substantivo)
 J: rapaz próximo
 Q: mulher próxima, amiga
 K: homem bom, claro
Cartas de espadas
Ás: documento, carta
 2: à noite, dúbio
3: distância, separação
 4: briga, discussão, más palavras
5: inveja, ciúmes
6: atraso, demora
7: decepção, traição
8: gastos inesperados, pejuízos, dívidas
9: ódio, rancor
10: desilusão, angústia J: rapaz mau caráter
Q: mulher má
K: homem mau
 Cartas de paus
 Ás: perspectiva de acontecimento, oportunidade
2: esperança, suposições
3: trabalho, lugar de negócios
4: passeio, 4 cantos onde esteve
5: fim de semana, feriado, dia de lazer
 6: surpresa, bom e inesperado
7: castelo desmoronando, acidente
8: melancolia, tristeza, doença para a pessoa
9: doença de outrem, pessoa angustiada
10: morte, corte, separação, acidente
J: rapaz fraco
Q: mulher fraca
K: homem fraco "
       Jogar Baralho é Pecado? As cartas de baralho estão ligadas ao ocultismo. Veja-se o caso da cartomancia – adivinhação por meio de baralho. A cigana prevê o futuro através das cartas. Observem uma das possíveis origens do baralho: “Se, por um lado, não há consenso a respeito das datas afirmadas acima, por um outro lado não há muita dúvida sobre o passado religioso ou adivinhatório das cartas. O antigo baralho indiano, por exemplo, tinha dez naipes, cada um representando uma das dez encarnações da entidade Vishnu. Essa ligação com o sobrenatural também fica clara quando surgem alguns dados históricos. Catherine P. Hargrave, que em 1930 publicou sua História do Jogo de Cartas, diz que no século XIV, os soldados sarracenos introduziram no sul da Itália um jogo de baralho chamado "naib" - que em hebraico quer dizer "feitiçaria" - e que pode também ter sido a origem da palavra "naipe" em português e espanhol’
       “Pouca gente sabe, mas o baralho comum utilizado para jogos como canastra, bridge, buraco, truco e tantos outros se presta também à prática divinatória, conhecida como cartomancia”As diferenças são apenas questões de impressão e versões. Portanto, as cartas de baralho são instrumentos usados pelo diabo para o trabalho de adivinhação. Por todo o tempo, enquanto jogamos, estamos tentando adivinhar o jogo do parceiro; derrubar o adversário de qualquer modo, ainda que com a mentira, o embuste, o blefe, a dissimulação. E quando o jogo envolve pessoas ímpias, pior ainda.
        Gostaria que você não desistisse de ler esse estudo ainda e prestasse atenção no que a Bíblia, que cremos de todo o coração ser a palavra de Deus nos diz em Deuteronômio 18: 1-14 10 Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; 11 nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; 12 pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti. 13 Perfeito serás para com o SENHOR, teu Deus. 14 Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa.
        Querido leitor, eu creio que você deve estar querendo me dizer: “mas e daí, qual é o problema de jogarmos com as cartas de baralho, se não praticamos adivinhação?” A resposta a sua pergunta é outra pergunta: “Por que você não quer deixar de jogar?” Eu ouso responder que você não quer abandonar o baralho porque já está dominado por ele. Agora, preste atenção apenas mais uma vez no que a palavra de Deus nos diz através do apostolo Paulo em 1 Co 6.12: “1 Co 6.12 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.
        O que Paulo está nos dizendo é que nós podemos escolher tudo o que o mundo nos oferece, mas nem tudo o que o mundo oferece vai me ser conveniente diante de Deus. E o grande problema é que existem coisas que nos são oferecidas e não podem dominar em nossas vidas, pois se nos dominarem serão senhores de nossas vidas, em 2 Pe 2.19 lemos: “pois aquele que é vencido fica escravo do vencedor. Então quando você é vencido por um vício, seja ele qual for, você torna-se escravo dele, e aquele vicio torna-se senhor de sua vida. Então lembre-se: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro”-Lucas 6.13. Mas você me diz: “Eu não sou viciado, por isso o baralho não é meu senhor!”. Então eu te pergunto: É conveniente jogar baralho, levando em consideração as utilidades místicas de suas cartas?”
      Querido leitor, pense quantas pessoas têm deixado de ter Jesus como Senhor, para ter jogos de azar, ou vícios como senhores. E quantos pais e mães de família têm ensinado seus filhos, através de seu exemplo, a serem jogadores de baralho, mais tarde lamentarão em ver seus pequenos em bares e festas, com um copo de wiski na mesa, um cigarro na boca e um baralho na mão. Quem você escolherá para ser o senhor de sua vida e família? Não sei sua resposta, mas eu e a minha casa serviremos a Senhor. Deus te abençoe!
Pr Welinton

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…