Pular para o conteúdo principal

A Páscoa



(Ex12. 3,5-7,13,22-28)

Desde o jardim do Éden o pecado entrou no mundo condenando o homem ao inferno, e desde então ele precisa de uma solução. A solução, o perdão, de nossos pecados ocorre no sacrifício de Jesus, onde ele deu a vida por nós pagando pelos pecados de todo aquele que nele crer.
A história bíblica descreve o plano de Deus de enviar seu filho ao mundo pagando pelos nossos pecados e assim nos perdoando.
Na narrativa bíblica conhecemos o povo Israelita que nasceu no Egito e lá foi escravizado. Assim como nós nascemos no pecado e nele fomos escravizados.
A Palavra páscoa é hebraica e significa passagem.
A páscoa tornou-se uma das três grandes festas, em comemoração do êxodo, ou seja, da libertação dos israelitas do Egito.
O povo de Deus reunia-se anualmente, em Jerusalém para esta festa que começava no mês primeiro, aos 14 do mês, no crepúsculo da tarde. Iniciava com uma refeição , que consistia de um cordeiro assado, ou um cabrito, pães asmos e ervas amargas. O cordeiro servia para recordação do sacrifício; o pão sem fermento da pureza; e as ervas amargas da servidão amarga do Egito.
Deus mandou dez pragas para o Egito, mas antes que a décima praga viesse,que era a morte de todo primogênito egípcio, instituiu que o povo Israelita que habitava no Egito, deveria sacrificar um cordeiro, sem defeito, macho de um ano, ou um cabrito e matá-lo a tarde, passarem o sangue nas portas e comerem de sua carne, pois a décima praga viria: a morte dos primogênitos do Egito. O anjo enviado por Deus passaria por cima do povo e veria que a casa marcada pelo sangue do Cordeiro era de seu povo. Deus queria que seu povo assumisse uma posição de povo exclusivo de Deus. Deus sabia quem era israelita e quem não era, porém o povo deveria ter uma marca assumida, o sangue do cordeiro em suas portas, mostrando que pertenciam a Deus . Com o sangue nas portas, eles não seriam feridos.
Então, enquanto o SENHOR feriria o povo Egípcio, seu povo Israel estaria comendo o cordeiro sacrificado, com pães sem fermento e ervas amarga em suas casas.
Este cordeiro é um anuncio do cordeiro de Deus que seria sacrificado para salvar aqueles que marcarem suas vidas e casas com seu precioso sangue derramado no sacrifício da Cruz.
O sangue de Jesus, marca a vida da família, é nas portas de nossas casas (famílias) que ele deve ser colocado, e quando nossas famílias estão marcadas pelo sangue de Jesus, não sofrerão a morte eterna, mas passarão da morte para a vida.
O v.11 no diz: – “é a Páscoa do SENHOR”. – a palavra páscoa significa “ passar por cima” – O anjo enviado por Deus passou por cima dos Israelitas e não os feriu. O povo de Israel passou pelo mar vermelho e não morreu. Passou da escravidão para a liberdade.
Hoje, a páscoa é a celebração anual em que lembramos a nossa libertação dos pecados através de Jesus.
Agora no Novo Testamento, comemoramos também a nossa passagem. A saída da escravidão do pecado para a vida com Deus e vida Eterna. Esta passagem foi feita na Cruz de Cristo e sua ressurreição. Pois na sua cruz ele nos lavou de nossos pecados e na ressurreição ele venceu a morte demonstrando o grande amor que tem por nós. Seu sacrifício e ressurreição são a passagem da escravidão e morte do pecado para a liberdade e vida com Deus. Assim como, o povo de Israel foi liberto da escravidão e morte do Egito, assim também em Cristo podemos viver livres da escravidão do pecado e cativos ao amor de DEUS.
Jesus Cristo é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, mas cada um de nós deve marcar sua vida com o seu sangue. Cada um de nós precisa crer que ele foi morto pelos nossos pecados e o seu sangue vertido na cruz nos marca como seus filhos, como seu povo exclusivo.
Isaías 53: 4 e 5 nos diz:
Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. 5 Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Romanos 8.1
Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
Creia que Jesus é seu Salvador, e assim, marque sua vida com o sangue do cordeiro.
Pr Welinton.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…