Pular para o conteúdo principal

Cientificamente o homem nasce crendo em Deus

Reportagem publicada no site da revista New Scientist, conceituada publicação no meio científico, relata a opinião do escritor Justin Barrett, que entende que o ser humano nasce programado para acreditar em Deus.

A pesquisa de Justin Barrett para publicar sua análise se baseou em estudos de três universidades norte-americanas, todas voltadas à antropologia, ciência que estuda o homem como ser em três aspectos: animal, social e moral.
Barrett baseia seu argumento nas aptidões comuns a todos os seres humanos saudáveis, como comer, andar e falar. Segundo ele, quase todas as pessoas nascem “crentes em Deus”.
O primeiro estudo utilizado foi o da Universidade Emory, de Atlanta, feito por psicólogos com bebês de nove meses. Os pesquisadores notaram que o cérebro das crianças, para compreender o mundo, faz associações a pessoas e objetos, e a partir disso, entendem como podem interagir com eles. A conclusão dos cientistas aponta para o fato de que os bebês aprendem a finalidade de cada fator à sua volta, mesmo que seja desconhecido. Em cima disso, Barrett afirma que nosso cérebro atribui com naturalidade determinados fenômenos a um ente desconhecido, pois nosso cérebro é acostumado a isso desde a infância.
O segundo estudo que serviu de fonte para a teoria defendida por Justin Barrett foi realizado pela Universidade Calvin, em Grand Rapids, região de Michigan. Essa pesquisa afirma que além de o ser humano agir com naturalidade em relação a um ser invisível, é diretamente propenso a este pensamento. O estudo também aponta para uma curiosidade: essas tendências não desaparecem na infância, se prolongando pela vida adulta na maioria dos casos.
A Universidade de Boston foi a responsável pelo terceiro estudo usado por Barrett para basear sua afirmação de que o homem nasce programado para crer em Deus. Na pesquisa da universidade, descobriu-se através da observação do comportamento de crianças de cinco anos, que a dificuldade em não saber a razão da existência de algo, faz o ser humano recorrer a divindades, que por deter uma resposta que o ser humano não pode descobrir, recebe naturalmente atribuições de onisciência, onipresença e imortalidade, pois o cérebro acaba creditando o desconhecido na conta do divino.
Abaixo, confira a matéria na íntegra:
Algumas habilidades humanas, tais como a música, são tratadas como dons: alguns parecem “ter nascido para a música”. No entanto, tarefas como andar e falar são comuns a todas as pessoas saudáveis, todos fomos “nascidos para andar” ou para falar. Será que é possível incluir a tendência de crer em Deus em um destes dois grupos? Acreditar em uma divindade é algo que vem naturalmente com o ser humano ou não?
Um autor norte-americano, Justin Barrett, acredita que sim. Ao analisar pesquisas antropológicas de várias universidades americanas, ele defende que quase todos nós nascemos naturalmente “crentes em Deus”.
Isso significa que, usando a lógica do andar ou falar, estamos naturalizados com a religião e a crença tão logo ela nos é apresentada, ainda na primeira infância. Seria uma tendência incluída na mente desde o nascimento.
Um estudo psicológico com bebês de 9 meses de idade, conduzido pela Universidade Emory (Atlanta, EUA), fez experimentos cognitivos. Os pesquisadores observaram que o cérebro das crianças, para entender o mundo, faz associações a partir de “agentes” (qualquer fator de ação ao seu redor, não necessariamente uma pessoa), e de como podem interagir com eles.
Naturalmente, os bebês sabem que tais agentes têm uma finalidade, ainda que seja desconhecida, e que os agentes podem existir mesmo que não possam ser vistos (é por isso, por exemplo, que filhotes de animais buscam se proteger de predadores mesmo que não os tenham visto).
Essa tendência, segundo o autor, facilita que se acredite em Deus. Não nos causa estranheza atribuir determinados fenômenos a um ente desconhecido: nosso cérebro pode lidar com isso sem problemas.
Outra pesquisa, da Universidade Calvin, em Grand Rapids (Michigan, EUA) vai ainda além: não apenas temos naturalidade com a ideia de um agente invisível, como somos diretamente propensos a este pensamento. Além disso, tais tendências não desaparecem na infância, se prolongando pela vida adulta na maioria dos casos.
Desde a infância, somos condicionados a acreditar que todas as coisas têm um propósito fixo. Uma terceira faculdade americana, Universidade de Boston (Massachussets, EUA), estudou crianças de 5 anos que visitavam um zoológico e olhavam para a jaula dos tigres.
Os pesquisadores descobriram que as crianças são mais propensas a acreditar que “os tigres foram feitos para andar, comer e serem vistos no zoológico”, do que “ainda que possam comer, andar e serem vistos, não é para isso que foram feitos”.
Temos dificuldade em não saber a razão da existência de algo, por isso recorremos a divindades. Este ente superior, por deter uma resposta que o ser humano não pode descobrir, recebe naturalmente atribuições de onisciência, onipresença e imortalidade, pois nosso cérebro tende a depositar todo o universo desconhecido em tal entidade.
O autor ainda lança uma pergunta: se Deus é aceito pelas crianças em um mecanismo de atribuição do desconhecido, semelhante ao Papai Noel ou a Fada do Dente, porque as crenças nestes últimos morrem com a infância e a ideia de Deus tende a permanecer na vida adulta?
Isso se explica, segundo ele, porque a imagem de Deus é mais poderosa. Papai Noel sabe apenas que deve te entregar um presente no dia 25 se você se comportou, e a Fada verifica apenas se você escondeu o dente debaixo do travesseiro.
Deus, ao contrário – e desde sempre somos levados a acreditar nisso -, sabe não apenas tudo o que você faz, mas também todos os outros seres do mundo e do universo. É por isso que algumas pessoas só passam a crer em Deus depois de mais velhas, mas ninguém retoma na vida adulta uma crença no Papai Noel: isso é algo restrito ao imaginário infantil.



http://noticias.gospelmais.com.br/pesquisador-humano-nasce-acreditar-deus-32427.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…