Pular para o conteúdo principal

As marcas de uma verdadeira conversão

At 9:20-30

20 E logo pregava, nas sinagogas, a Jesus, afirmando que este é o Filho de Deus. 21 Ora, todos os que o ouviam estavam atônitos e diziam: Não é este o que exterminava em Jerusalém os que invocavam o nome de Jesus e para aqui veio precisamente com o fim de os levar amarrados aos principais sacerdotes? 22 Saulo, porém, mais e mais se fortalecia e confundia os judeus que moravam em Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo. 23 Decorridos muitos dias, os judeus deliberaram entre si tirar-lhe a vida; 24 porém o plano deles chegou ao conhecimento de Saulo. Dia e noite guardavam também as portas, para o matarem. 25 Mas os seus discípulos tomaram-no de noite e, colocando-o num cesto, desceram-no pela muralha. 26 Tendo chegado a Jerusalém, procurou juntar-se com os discípulos; todos, porém, o temiam, não acreditando que ele fosse discípulo. 27 Mas Barnabé, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos; e contou-lhes como ele vira o Senhor no caminho, e que este lhe falara, e como em Damasco pregara ousadamente em nome de Jesus. 28 Estava com eles em Jerusalém, entrando e saindo, pregando ousadamente em nome do Senhor. 29 Falava e discutia com os helenistas; mas eles procuravam tirar-lhe a vida. 30 Tendo, porém, isto chegado ao conhecimento dos irmãos, levaram-no até Cesaréia e dali o enviaram para Tarso.

Um fato muito curioso aconteceu com o Reverendo William Haslam.

Ordenado ao ministério por uma igreja da Inglaterra, em 1842, serviu numa paróquia evangélica em North Cornwell, tornou-se competente , mas não se sentia satisfeito, pois sua experiência pessoal com Deus resumia-se aos rituais que aprendeu e praticou desde a infância.

Mas, um dia, nove anos depois de sua ordenação, em 1851, enquanto pregava sobre um texto do evangelho a seguinte mensagem: ("O que vocês pensam de Cristo?"), o Espírito Santo abriu-lhe os olhos para enxergar o Cristo de quem falava, e o coração, para crer nEle.

A mudança que lhe sobreveio foi tão obvia que um pregador local que visitava a igreja, se pôs em pé e gritou: "O pastor se converteu! Aleluia!", e de imediato sua voz se perdeu em meio aos louvores de 300 ou 400 pessoas que estavam na congregação.

A noticia se espalhou : "O pastor se converteu por meio da sua própria pregação no seu próprio púlpito".

Sua conversão foi o inicio de um grande avivamento na paróquia, que durou quase três anos com um senso vivido da presença de Deus, havendo conversões quase todos os dias, e em anos posteriores Deus o chamou para um ministério muito incomum de levar muito de seu colegas pastores ao relacionamento pessoal com Jesus Cristo.

Existe o risco de pessoas que se dizem convertidos ainda não o serem de fato. Há pessoas que estão a muito tempo dentro das igrejas mas que ainda não se converteram realmente a Cristo. Muitos vivem uma falsa conversão.

Mas, vemos no apóstolo Paulo um exemplo de pessoa realmente convertida a Cristo.

Quando a Igreja Cristã nasceu em Jerusalém, liderada pelos apóstolos que haviam sido discipulados diretamente pelo Senhor Jesus, Saulo de Tarso, um homem judeu, fariseu muitíssimo dedicado, levantou-se contra a Igreja com muita fúria. Quando ocorreu o primeiro martírio de um líder da Igreja, Estevão, lá estava o jovem Saulo consentindo naquele apedrejamento (Atos 8.1). Em Atos 8.3, temos o registro de que Saulo “devastava a Igreja, indo de casa em casa, arrastava homens e mulheres e os lançava na prisão”.

Todos os discípulos de Cristo na Judéia conheciam a má fama de Saulo de Tarso. Porém, nosso Deus tem uma forma surpreendente de agir maravilhosamente. Escolheu justamente o perseguidor para torna-lo o maior pregador da Igreja e o missionário dos gentios. Quem poderia imaginar que o grande perseguidor se tornaria o maior defensor? Dos vinte e sete livros do Novo Testamento, treze são de autoria de Paulo!

A conversão de Saulo é narrada em Atos 9, que inicia-se dizendo que Saulo “respirava ameaças de morte contra os discípulos do Senhor”. Esta descrição demonstra que Saulo odiava os cristãos e queria mata-los a todos! Não satisfeito em perseguir os discípulos da Judéia, buscou autorização dos sacerdotes para perseguir os judeus de Damasco que haviam se convertido ao Caminho (como era chamada a Igreja no início). Foi no caminho de Jerusalém para Damasco que o Senhor transformou Saulo de Tarso em Paulo, o apóstolo.

Em Atos 9.26, somos informados que ao retornar a Jerusalém, os cristãos não acreditavam que Saulo houvesse mesmo se convertido.” 26 Tendo chegado a Jerusalém, procurou juntar-se com os discípulos; todos, porém, o temiam, não acreditando que ele fosse discípulo. “ Tinham receio de que fosse uma armadilha! Mas Saulo tinha realmente se convertido, e esta história nos ajuda a entender quais são as verdadeiras marcas que demonstram a conversão de uma pessoa a Jesus.

Tema: AS MARCAS DE UMA VERDADEIRA CONVERSÃO

1ª. MARCA: Mudança radical de comportamento (Atos 9.20-22). 20 E logo pregava, nas sinagogas, a Jesus, afirmando que este é o Filho de Deus. 21 Ora, todos os que o ouviam estavam atônitos e diziam: Não é este o que exterminava em Jerusalém os que invocavam o nome de Jesus e para aqui veio precisamente com o fim de os levar amarrados aos principais sacerdotes? 22 Saulo, porém, mais e mais se fortalecia e confundia os judeus que moravam em Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo.

A experiência de conhecer Jesus pessoalmente através da visão que teve na estrada para Damasco provocou uma transformação radical na vida de Saulo. O que antes reputava como uma mentira, agora reconhecia como a Verdade. Seu comportamento mudou: agora não perseguia mais – ao contrário, dava testemunho para que outros também se tornassem discípulos de Cristo.

Uma verdadeira conversão deve trazer mudança. Conversão significa “mudança de direção”. Por exemplo, em I Co 6.9-11: 1 Coríntios

6.9 Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, 10 nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus. 11 Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.

Paulo lembra os discípulos de Corinto que alguns deles foram impuros, idólatras, adúlteros, efeminados, sodomitas( homossexuais), ladrões, avarentos, bêbados, maldizentes, desonestos... mas que a verdadeira conversão a Cristo trouxe mudanças profundas: Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus. (v. 11). Encontrar-se com Jesus, como Saulo encontrou-se, produz a marca da mudança radical de comportamento.

2ª. MARCA: O testemunho corajoso acerca de Jesus (vs. 27 e 28). 27 Mas Barnabé, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos; e contou-lhes como ele vira o Senhor no caminho, e que este lhe falara, e como em Damasco pregara ousadamente em nome de Jesus. 28 Estava com eles em Jerusalém, entrando e saindo, pregando ousadamente em nome do Senhor.

Certo jovem casado com uma irmã de nossa igreja em Ponta Grossa me procurou num domingo a tarde, ele não era membro daquela igreja, mas ao ser tocado pela palavra da escola dominical disse: “Eu quero pertencer a essa igreja e eu quero fazer essa igreja crescer”- mais tarde aquele jovem foi encaminhado à um seminário e hoje é um dos lideres de uma igreja lá em Ponta Grossa.

A sua conversão o levou ao desejo de pregar a Jesus Cristo e levar outros a conhecer a esse Jesus.

O relato bíblico ressalta a forma corajosa como Paulo testemunhava acerca de Jesus a todas as pessoas. E isto não demorou a acontecer. Desde o momento quando ele chegou a cidade de Damasco e recuperou a visão, começou a contar sobre sua experiência de conversão a Jesus Cristo. Observe o detalhe do texto bíblico: Saulo pregava corajosamente” pregando ousadamente em nome do Senhor”.V. 28).

Aliás, todos nós temos a obrigação de dar testemunho corajoso de Jesus. Em Atos 1.8, encontramos a recomendação de Jesus de que no poder do Espírito Santo devemos ser testemunhas dEle até os confins da Terra: mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra. “

O testemunho corajoso de Saulo produziu dois resultados: a) Pessoas se converteram e se tornaram discípulas do próprio Paulo! Isto ocorreu já em Damasco, conforme Atos 9.25. Note que o texto descreve como Paulo foi colocado num cesto e pendurado por cordas, pode sair de Damasco. A Bíblia conta que foram as pessoas que Paulo havia ganho para Jesus que o desceram pelo cesto! b)Perseguição - Pessoas ficaram com muita raiva e queriam até mesmo matar a Paulo que era tido por eles como um traidor. Mas isto não fez o novo convertido parar de testemunhar.

Testemunhar com coragem é uma marca de uma verdadeira conversão.

3ª. MARCA: A Busca de uma comunhão profunda com a Igreja (vs. 26 e 27).

26 Tendo chegado a Jerusalém, procurou juntar-se com os discípulos; todos, porém, o temiam, não acreditando que ele fosse discípulo. 27 Mas Barnabé, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos; e contou-lhes como ele vira o Senhor no caminho, e que este lhe falara, e como em Damasco pregara ousadamente em nome de Jesus.

Barnabé, um discípulo mais antigo na Igreja, foi usado por Deus para apresentar o novo irmão em Cristo a todos os líderes da Igreja em Jerusalém. Para Paulo era muito importante ter comunhão com a Igreja. A comunhão com a Igreja, a Família de Deus, é uma outra importante marca de uma conversão verdadeira.

Hebreus 10.24-25

24 Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. 25 Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.

O dicionário Online de português define congregar da seguinte forma: “Convocar, reunir. agregar, juntar, reunir, reunir-se em congresso”.

NVI traduz a nós o verso 25 da seguinte forma: Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia.

Quando nos reunimos como igreja, estamos não apenas nos reunindo, mas nos conhecendo, exercitando o amor, perdoando uns aos outros, sendo edificados, assim a nossa reunião deixa de simplesmente ser uma reunião e passa a ser uma união.

(Mt 18.20)

18.20 Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.

Nós cremos que Deus está presente em todos os lugares. Ele é onipresente, mas existe diferença entre a presença de Deus, e a manifestação da sua presença. Jesus está se referindo aqui sobre a sua presença no que se refere a manifestação do seu poder, como manifestava-se com seus discípulos.

Uma tradução mais exata de Mateus 18:20 seria esta: “Porque, onde foram dois ou três reunidos para o meu nome, ali estou no meio deles”. Assim fica claro, que não são as pessoas que se reúnem, mas, sim, que existe alguém que os reuniu.

Entendemos que não foi o apóstolo que decidiu reunir-se com o s discípulos, mas o Espírito de Deus o levou a estar com a igreja. Essa característica da verdadeira conversão é que somos levados pelo Espírito a nos reunirmos com a igreja. Não podemos , se verdadeiramente somos convertidos, evitar o convívio e a comunhão com a igreja.

CONCLUSÃO:

Talvez você até seja membro da igreja, ou quem sabe até um líder, mas ainda não passou pela conversão verdadeira: Hoje se você ouviu a voz do Senhor não endureça o seu coração. Mas volte-se ao Senhor porque é rico em perdoar.

Você já apresenta: AS MARCAS DE UMA VERDADEIRA CONVERSÃO?

1ª. MARCA: Mudança radical de comportamento (Atos 9.20-22). 2ª. MARCA: O testemunho corajoso acerca de Jesus

3ª. MARCA: A Busca uma comunhão profunda com a Igreja

Pastor Welinton

Adaptado de Paulo Petrizi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…