Pular para o conteúdo principal

o ministério da intercessão na vida de um servo



Ef 3.14-21
Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai,
15 de quem toma o nome toda família, tanto no céu como sobre a terra,
16 para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior;
17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
18 a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade
19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.
20 Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós,
21 a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!
A igreja precisa se posicionar melhor em oração, só a oração provoca mudanças. Todos os crentes tem um chamado comum, para exercer um ministério de todos: o ministério da intercessão.
Antes mesmo do nascimento da igreja, que ocorreu no dia de pentecostes, Lucas escrevia (Lc 24.53) e( os discípulos) estavam sempre no templo, louvando a Deus. Lucas ainda deixa mais explicito o que os a discípulos estavam fazendo no começo da igreja (At 1.14):“Todos estes perseveravam unânimes em oração, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele. “ A era missionária da igreja iniciou-se quando o Espírito Santo revelou à liderança dela reunida em Antioquia, que deveriam enviar Barnabé e a Paulo, mas o Espírito Santo só fez isso depois que o grupo já estava em oração e jejum havia algum tempo.
Martinho Lutero, reformador, não estava satisfeito com a religiosidade de seu tempo. Sentia uma necessidade de maior espiritualidade, e isso o levou a passar mais tempo em oração, quando era professor de teologia na universidade de Witenberg. Certo dia no final de 1512, ele se trancou numa sala do mosteiro e ficou a orar sobre as verdades que estava descobrindo na Bíblia. E foi após esse período de oração e estudo bíblico que surgiu a reforma.
Este texto nos fala de uma oração feita por Paulo em favor da igreja de Éfeso. Esta é a segunda oração descrita por Paulo na carta aos efésios. Ao escrever sua carta aos Efésios, Paulo estava preso, algemado e esperando sua morte em Roma. Ele, naquele momento tinha muitas necessidades, mas não pede por elas, mas sim ora pela igreja. Os homens poderiam colocar Paulo atrás das grades, mas não podiam prender sua alma, poderiam algemar suas mãos, mas não a palavra de Deus em seus lábios. Conseguiram impedir Paulo de viajar, visitar e pregar nas igrejas, mas não o conseguiram impedir de orar pelas igrejas. Então Paulo estava na prisão, mas não estava inativo, ele estava realizando um poderoso ministério na prisão. O ministério da intercessão.
O ministério da intercessão independe do local que estamos vivendo, independe de nossa escolaridade, idade, cultura ou posição social . Podemos exercê-lo em casa, sozinhos, em conjunto, nas cidades ou no campo. Paulo estava na prisão, isso não o impediu de orar.


1 ) Qual é a atitude do intercessor
2) Qual o conteúdo da intercessão.


1- Qual é a atitude do intercessor.
Vejamos na vida de Paulo, a respeito de qual deve ser a atitude de um intercessor:
A) A postura de Paulo revela reverência. (Ef.3.14)
“Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai”
Os judeus normalmente oravam de pé, mas Paulo se colocava de joelhos. Essa postura era usada em ocasiões especiais ou em excepcionais circunstâncias (Lc 22.41 e At 7.60).
A bíblia não torna sagrada a postura física com que devemos orar. Temos exemplos de pessoas orando em pé, assentados, ajoelhados, andando e até deitados. Obviamente não podemos ser desleixados com nossa postura física quando nos apresentamos àquele que está num alto e sublime trono. Um crente de joelhos enxerga mais longe que um filósofo na ponta dos pés. Quando a igreja ora, a mão onipotente que dirige o universo se move para agir providencialmente na história. Podemos e devemos concordar com a expressão: ”Quando o homem trabalha, o homem trabalha; mas quando o homem ora Deus trabalha.”
B) A motivação de Paulo revela alegria pela obra de Deus Pai na igreja (Ef 3.14-15)
Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai,
15 de quem toma o nome toda família, tanto no céu como sobre a terra,
Ef 3.1 Por esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Cristo Jesus, por amor de vós, gentios,
Paulo fala aqui nesses versículos, da igreja, como composição de famílias, tanto judeus quanto gentios: “toda a família”, ele fala da igreja invisível, aqueles que estão nos céus ,”tanto nos céus”, ele fala também da igreja visível “quanto na terra”. Fala da igreja militante, a que está nas lutas dessa terra, e fala da igreja triunfante, aquele que perseverou, venceu e está nos céus.
No verso 14, Paulo se dirige a Deus como o nosso Pai. Toda a paternidade de Deus se manifesta na igreja, na obra dele na vida dos crentes. O intercessor se alegra pela obra de Deus na igreja, se alegra pela vida da igreja, onde se manifesta a paternidade de Deus.
E é a este Pai, o único em quem a paternidade é vista com perfeição, que as pessoas se dirigem quando vêm orar.
C) A ousadia de Paulo revela sua confiança.(Ef 3.16)
16 para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior;
Paulo manifesta o desejo de que Deus atenda suas suplicas, “segundo a riqueza de sua glória”. Paulo tinha em mente os ilimitados recursos que estão disponíveis a Deus. Seus recursos são inesgotáveis.
Não existe nada impossível para o Senhor.
Ele pode todas as coisas.
Arthur Pink escreveu:
“Não poderemos ter correto conceito de Deus, se não pensarmos nEle como onipotente, igualmente como onisciente. Quem não pode fazer o que quer e não pode realizar o que lhe agrada, não poder ser Deus. Como Deus tem uma vontade para decidir o que julga bom, assim tem poder para executar a Sua vontade. "O poder de Deus é aquela capacidade e força pela qual Ele pode realizar tudo que Lhe agrade, tudo que a Sua sabedoria dirija, tudo que a infinita pureza da Sua vontade resolva. ".
Uma vez falou Deus": vede a Sua imutável autoridade, "Pois quem no céu se pode igualar ao Senhor? Quem é semelhante ao Senhor entre os filhos dos poderosos?" (Sl.89:6). "E todos os moradores da terra são reputados em nada; e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra: não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: que fazes?" (Dn.4:35). Esta realidade foi amplamente descortinada quando Deus Se encarnou e tabernaculou entre os homens. Ao leproso ele disse: "... sê limpo. E logo ficou purificado da lepra" (Mt.8:3). A um que jazia no túmulo já fazia quatro dias, ele bradou: "... Lázaro, sai para fora. E o defunto saiu..."(Jo.11:43-44). Os ventos tempestuosos e as ondas bravias se aquietaram a uma só palavra Dele. Uma legião de demônios não pôde resistir à Sua ordem repassada de autoridade.”( http://www.monergismo.com/textos/atributos_deus/poder_pink.htm)
É a confiança num Deus todo poderoso que motiva nossas orações, a confiança em um Deus que não nos responderá conforme nossa expectativa, mas sim segundo sua riqueza e glória.
“Para o bem de cada crente, Deus concedeu-lhe duas grandes e preciosas bênçãos que devemos usar diariamente: a Sua Palavra e a Oração. Pela Sua Palavra Deus revela-nos, além de muitas coisas mais, a grandeza da Sua bondade e da Sua misericórdia e a certeza de que estas nunca se esgotarão. Pelo Oração o crente reconhece a sua fraqueza e incapacidade de fazer coisa alguma, até mesmo de dirigir bem a sua própria vida, mas que Deus quer e é poderoso para nos sustentar, proteger e guiar.”( http://www.refrigerio.net/edicao119/poder-da-oracao.html)
Seja ousado na oração, revele a Deus que você confia no seu poder, e sabe que ele fará coisas grandiosas e inexplicáveis em sua vida, família e igreja.

Esse é o nosso 1º ponto: Qual é a atitude do intercessor.
A postura de Paulo revela reverência. (Ef.3.14) , A motivação de Paulo revela alegria pela obra de Deus Pai na igreja (Ef 3.14-15), A ousadia de Paulo revela sua confiança.(Ef 3.16).
2) Qual o conteúdo da intercessão.
Nesta oração , as petições de Paulo são como degraus de uma escada, cada uma delas subindo mais; o clímax da oração está nas ultimas palavras do vers. 19:” para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus. “
Qual é o conteúdo da oração de Paulo?
a) A oração de Paulo é uma suplica por poder interior ( o poder do Espírito Santo em nós).(Ef 3.16 e 17)
16 para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior; 17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
Paulo não está pedindo que haja mudanças nas circunstâncias, nem com relação a si mesmo, nem com relação a vida dos outros. Ele ora pedindo poder. Na sua oração Paulo não se preocupa com as coisas materiais, mas com as coisas espirituais.
Muitas orações estão centradas, apenas no suprimento material das necessidades humanas. Ele tem um anseio maior, o fortalecimento com o Espírito Santo. Ele não estava pedindo alivio dos problemas, mas sua oração era mais especifica, pedia o poder de Deus para vencer os problemas.
O poder é concedido pelo Espírito Santo. Precisamos buscar fortalecimento com poder porque somos fracos, o inimigo é astuto, a mente, coração e a vontade são fracos e precisam do poder do alto para viver em santidade.
Somente com uma vida de oração, estando cheios do Espírito Santo que a vontade de pecar vai embora, e a vontade de servir a Deus reina em nós.
Lucas 11.13 : “ Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?”
Ef 3.17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
Quando Cristo habita em nossos corações, somos fortalecidos com o Espírito Santo – a palavra no texto referente a habitar , não se refere a Cristo estar hospedado em nós, mas sim a Cristo morar definitivamente em nós, sendo o nosso dono, e aquele que governa e dirige nossas vidas de acordo com o seu querer. A palavra “habitar” aqui nesse texto também refere-se a “sentir-se bem ou sentir-se em casa”. Cristo sente-se em casa em nossos corações. Ele se alegra em habitar em você.
E se Cristo está presente em nossos corações algumas coisas não podem estar:
(2 Co 6.17e 18)
Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. 17 Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei, 18 serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.
Se Cristo está presente em nossos corações, os ídolos não tem espaço.
(Gl 5.24) “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. “
Se Cristo reina e habita em nossos corações, não espaço para a vontade da carne, que é a vontade de pecar.
A oração de Paulo era uma oração, de suplica pelo poder interior, habitando Cristo nos nossos corações, e sendo fortalecidos no poder do Espírito Santo.
b) A oração de Paulo era uma suplica por aprofundamento do amor fraternal.
17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,

O fortalecimento do Espírito Santo que Paulo pede, assim como a plena habitação de Cristo em nós, leva-nos a viver um aprofundamento do amor fraternal. A vida no Espírito Santo deve levar todos os crentes a saber o que é se amarem verdadeiramente, bem como se sentirem amados por Jesus Cristo.
A igreja passa a viver o proposito verdadeiro de Deus quando começa a vivenciar o amor dentro dela.
Você deve amar seus irmãos.
Você tem que se sentir amado pelos seus irmãos.
Paulo fala que nossas raízes devem ser o amor, Paulo fala que nosso alicerce é o amor. O que Paulo está orando é para que Cristo habite nos crentes. Qual é a evidência de que Cristo está vivendo em nós?
Vivermos uma vida arraigada e alicerçada no amor.
A parte mais importante em uma planta é a raiz, a parte mais importante em uma edificação é o alicerce. E Paulo ora pela raiz e o alicerce da igreja – o amor.
c) A oração de Paulo era uma suplica por compreensão do amor de Cristo ( Ef 3.18-19)

18 a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade
19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.
Paulo passa agora do nosso amor pelos irmãos para o amor de Cristo por nós. Precisamos COMPREENDER e CONHECER.
Compreender – fala do conhecimento intelectual do amor do Senhor
Conhecer – fala do conhecimento do amor alcançado pela experiência – do experimentarmos o amor de Cristo a cada dia.
Não podemos apenas compreender esse amor, mas temos que conhece-lo, a cada dia senti-lo, e a cada momento experimentá-lo.
Russel Shedd explica:
“Largura do amor de Cristo- Abrange membros de toda tribo, língua, povo e nação.
Comprimento do amor de Cristo -Abrange o tempo – começando no Éden, até o retorno de Cristo
Altura do amor de Cristo- vem do alto céu e desce até o mais baixo infernos – isto é na obra de Cristo.
Profundidade – O amor de Cristo vai chegar até os piores pecadores – Não há nenhum pecador e rebelde que não possa ser incluído em tão grande salvação.
d) A oração de Paulo é uma suplica pela plenitude de Deus (Ef 3.19b)
“ para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.”


A oração de Paulo era que Deus habitasse plenamente na vida de cada pessoa da igreja dos Efésios.
É isso, que em oração, devemos buscar, a plena habitação de Deus em nossas vidas, sermos cheios do Espírito Santo de Deus e cheios da palavra de Deus.


Revisão:


Nosso tema neste texto foi:
Tema: O ministério da intercessão na vida de um servo.
Vimos dois pontos:
1 ) Qual é a atitude do intercessor
A postura de Paulo revela reverência. (Ef.3.14) , A motivação de Paulo revela alegria pela obra de Deus Pai na igreja (Ef 3.14-15), A ousadia de Paulo revela sua confiança.(Ef 3.16).


2) Qual o conteúdo da intercessão.
a) A oração de Paulo é uma suplica por poder interior ( o poder do Espírito Santo em nós).(Ef 3.16 e 17)
b) A oração de Paulo era uma suplica por aprofundamento do amor fraternal.
17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
c) A oração de Paulo era uma suplica por compreensão do amor de Cristo ( Ef 3.18-19)
d) A oração de Paulo é uma suplica pela plenitude de Deus (Ef 3.19b)


Conclusão
Paulo conclui essa oração louvando a Deus e expressando sua confiança plena em Deus, num Deus que quando oramos, não fará apenas o que pedimos, mas infinitamente mais do que tudo que pedimos, ainda mais, do que tudo o que pensamos:
20 Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós,
21 a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!
Seja qual for sua necessidade, seja qual for o problema que você estiver passando , entregue a Deus , confie – Ele é poderoso.
Pastor Welinton

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…