Pesquisar este blog

domingo, 26 de junho de 2011

Orando pelo envio de trabalhadores

Lc 10: 1 e 2

1 Depois disto, o Senhor designou outros setenta; e os enviou de dois em dois, para que o precedessem em cada cidade e lugar aonde ele estava para ir.

2 E lhes fez a seguinte advertência: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.

O evangelista Lucas é conhecido como o “evangelista da oração”.

Em Lucas temos sobre a oração:

· Ana ( a profetiza) adorando a Deus com jejuns e orações.

· Jesus orando ao ser batizado;

· Jesus orando no deserto;

· Jesus orando sozinho;

· Jesus orando antes de chamar os doze;

· Jesus orando separadamente;

· Jesus orando no monte da transfiguração;

· Orando em gratidão ao Pai

· Jesus ensinando seus discípulos a orar;

· A parábola do juiz iniquo e a viúva que insistia para que ele julgasse sua causa – ilustrando a oração.

· A parábola do fariseu e o publicano;

· A exortação a vigilância;

· Jesus orando no Getsêmani .

· Jesus orando na Cruz.

· Somente Lucas registra que Jesus orou por Pedro, quando seria Pedro provado por Satanás.

E neste texto do Evangelho de Lucas, Jesus ensina que a oração é muito importante para a realização da obra missionária. A oração é fundamental na vocação, treinamento, envio e trabalho dos missionários. O seu ensino compara a necessidade da evangelização com uma seara (safra), porém a seara é maior do que o numero de trabalhadores que nela estão. Esse ensino de Jesus foi dado quando ele enviou setenta de seus seguidores para o precederem nas cidades onde haveria de passar. Diante desse envio de Jesus, ele faz a advertência de que há muito trabalho a ser feito, o evangelho precisa ser levado, mas há a necessidade de pessoas que levem esse evangelho.

O apostolo Paulo também deixou claro a necessidade de que trabalhadores sejam enviados para pregar a palavra de Deus, fazendo o vinculo entre o evangelho e o que há de ser salvo. Romanos
10.14 Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?

Quando Deus chama Isaías, o profeta para o exercício profético a pergunta do Senhor foi a seguinte: “ A quem enviarei e quem há de ir por nós?”(Is 6.8)

Estamos diante do desafio da grande evangelização de toda a terra, mas por outro lado vemos poucos se dispondo a servir a Deus até mesmo na igreja local. Pois, quando há necessidade de pastores, evangelistas , presbíteros, diáconos, pessoas para dirigir um ministério, uma sociedade interna, ou um grupo pequeno quase não encontramos pessoas com a resposta de Isaías: “ Eis-me aqui, envia-me a mim”.

Sabendo dessa dificuldade que temos o Senhor Jesus já nos advertiu dizendo: Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.

Veremos três preciosas lições nesta mensagem:

1ª Lição: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos.

Jesus faz uma relação entre o tamanho do campo de trabalho com a quantidade de obreiros. A seara ( safra) é grande ou imensa.

At. 1.8 “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.”

Jesus antes de subir ao céu falou aos seus discípulos da capacitação necessária para se realizar a sua obra, levando o seu evangelho, essa capacitação na vida da igreja é o batismo com o Espírito Santo , o qual está na igreja. Os discípulos receberam a incumbência de testemunhar em Jerusalém, era onde seus discípulos estavam, Judéia, era onde os necessitados estavam, Samaria, era uma região em Israel, inimiga dos de Jerusalém, Jesus os manda pregar a esses também, mas ele diz mais : “ até os confins da terra”. Jesus fala da dimensão da seara.

Geograficamente, ela começa em Jerusalém, onde estamos, e vai até os confins da terra. As dimensões da seara que nos está proposta são mundiais, engloba toda a criatura humana e alcança todas as nações da terra. Olhando desse ponto de vista, os trabalhadores são poucos. Não podemos nos contentar em cumprir parte apenas da missão que nos está proposta, sendo apenas testemunhas em Nova Aurora, mas devemos rogar ao Senhor da Seara que envie trabalhadores a Nova Aurora, mais crentes comprometidos, mais testemunhas vivas, mas oremos também que ele envie trabalhadores até os confins da terra.

2ª Lição: Deus envia trabalhadores a sua seara em resposta as orações do seu povo.

Vemos neste ponto o equilíbrio entre a soberania de Deus e a responsabilidade humana. Deus é quem envia os obreiros. Ele chama, capacita e envia pessoas para o trabalho. Vemos o exemplo disso no chamado de Jeremias: Jr 1. 4-7

A mim me veio, pois, a palavra do SENHOR, dizendo:

5 Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações.

6 Então, lhe disse eu: ah! SENHOR Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança.

7 Mas o SENHOR me disse: Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás.

Vemos que foi Deus quem escolheu Jeremias, o chamou e o capacitou.

Em contrapartida , nós devemos orar. Um grande pregador inglês do Séc. XVIII (18) Spurgeon disse o seguinte: “ Sempre que Deus deseja realizar algo, ele convoca seu povo para orar”

Max Lucado, escritor contemporâneo: “Quando agimos, colhemos os frutos do nosso trabalho, mas quando oramos, colhemos os frutos do trabalho de Deus”

Precisamos orar! Calmar ao Senhor que envie obreiros, liders espirituais vocacionados por Ele.

Você sabe qual é a maior crise da igreja hoje? É a crise vocacional.

Existem muitas pessoas não convertidas trabalhando no serviço da igreja. Há muitos homens sem a vocação divina ocupando o pastorado ou liderando a igreja. Precisamos orar. Há muitos que se convertem, já no meio do serviço na igreja, no meio do pastorado, no meio do presbiterato, do diaconato ou em uma liderança. Esse não é o ideal de Deus, mas é que muitos convertidos tem fugido de exercer o ministério para o qual é chamado – essa é a crise, e diante da crise a igreja precisa se posicionar em oração – Michel Green disse: “A oração move a mão que move o mundo”.

E quando oramos, Deus envia trabalhadores, não críticos da igreja ou aproveitadores da igreja. O termo trabalhador quer dizer pessoas que se afadigam ou se esforçam no trabalho exaustivo.

Paulo escreve na 1 a carta aos Tessalonicenses cap 5. 12-13:

.12 Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam;13 e que os tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam. Vivei em paz uns com os outros. “

O texto fala de trabalhadores na igreja, destacamos algumas palavras:” os que trabalham entre vós,”” , por causa do trabalho que realizam.

3ª Lição: A seara pertence a Deus

Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.

Essas expressões indicam propriedade. As vidas que são salvas, as igrejas que são plantadas, os recursos que são ofertados pertencem ao Dono da seara: Deus. É preciso que tenhamos em mente essa verdade, a igreja pertence ao Senhor.

1 Pe 5. 1-3

1 Pedro

5.1 Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada:

2 pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade;3 nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.

NVI - NVI – 1 Portanto, apelo para os presbíteros que há entre vocês, e o faço na qualidade de presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, como alguém que participará da glória a ser revelada:2pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados. Olhem por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não façam isso por ganância, mas com o desejo de servir3Não ajam como dominadores dos que lhes foram confiados, mas como exemplos para o rebanho.

Os presbíteros, bem como todos os obreiros do Senhor da seara devem tratar as pessoas, as quais são a seara de Deus com amor, não com domínio, pois a Seara ( igreja) é do Senhor.

Paulo também ensinou na igreja de Éfeso (At 20.28):

Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.”

Muitas vezes vemos pessoas que tristemente se intitulam donos de ministérios e igrejas, esquecendo-se de que a seara é do Senhor.

Precisamos clamar ao Senhor, que envie trabalhadores que reconheçam que a igreja é do Senhor.

Conclusão:

No texto de hoje do Evangelho de Lucas, Jesus ensina que a oração é muito importante para a realização da obra missionária. A oração é fundamental na vocação, treinamento, envio e trabalho dos missionários. O seu ensino compara a necessidade da evangelização com uma seara (safra), porém a seara é maior do que o numero de trabalhadores que nela estão.

Estamos diante do desafio da grande evangelização de toda a terra, mas por outro lado vemos poucos se dispondo a servir a Deus até mesmo na igreja local. Pois, quando há necessidade de pastores, evangelistas , presbíteros, diáconos, pessoas para dirigir um ministério, uma sociedade interna, ou um grupo pequeno quase não encontramos pessoas com a resposta de Isaías: “ Eis-me aqui, envia-me a mim”.

Sabendo dessa dificuldade que temos o Senhor Jesus já nos advertiu dizendo: Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.

Nosso tema nessa mensagem foi: "orando pelo envio de trabalhadores",vimos três preciosas lições nesta mensagem:

1ª Lição: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos.

2ª Lição: Deus envia trabalhadores a sua seara em resposta as orações do seu povo.

3ª Lição: A seara pertence a Deus

Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.

Deus está a procura de pessoas que se disponham a orar pela sua obra nessa terra, você é essa pessoa?

domingo, 19 de junho de 2011

o ministério da intercessão na vida de um servo



Ef 3.14-21
Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai,
15 de quem toma o nome toda família, tanto no céu como sobre a terra,
16 para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior;
17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
18 a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade
19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.
20 Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós,
21 a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!
A igreja precisa se posicionar melhor em oração, só a oração provoca mudanças. Todos os crentes tem um chamado comum, para exercer um ministério de todos: o ministério da intercessão.
Antes mesmo do nascimento da igreja, que ocorreu no dia de pentecostes, Lucas escrevia (Lc 24.53) e( os discípulos) estavam sempre no templo, louvando a Deus. Lucas ainda deixa mais explicito o que os a discípulos estavam fazendo no começo da igreja (At 1.14):“Todos estes perseveravam unânimes em oração, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele. “ A era missionária da igreja iniciou-se quando o Espírito Santo revelou à liderança dela reunida em Antioquia, que deveriam enviar Barnabé e a Paulo, mas o Espírito Santo só fez isso depois que o grupo já estava em oração e jejum havia algum tempo.
Martinho Lutero, reformador, não estava satisfeito com a religiosidade de seu tempo. Sentia uma necessidade de maior espiritualidade, e isso o levou a passar mais tempo em oração, quando era professor de teologia na universidade de Witenberg. Certo dia no final de 1512, ele se trancou numa sala do mosteiro e ficou a orar sobre as verdades que estava descobrindo na Bíblia. E foi após esse período de oração e estudo bíblico que surgiu a reforma.
Este texto nos fala de uma oração feita por Paulo em favor da igreja de Éfeso. Esta é a segunda oração descrita por Paulo na carta aos efésios. Ao escrever sua carta aos Efésios, Paulo estava preso, algemado e esperando sua morte em Roma. Ele, naquele momento tinha muitas necessidades, mas não pede por elas, mas sim ora pela igreja. Os homens poderiam colocar Paulo atrás das grades, mas não podiam prender sua alma, poderiam algemar suas mãos, mas não a palavra de Deus em seus lábios. Conseguiram impedir Paulo de viajar, visitar e pregar nas igrejas, mas não o conseguiram impedir de orar pelas igrejas. Então Paulo estava na prisão, mas não estava inativo, ele estava realizando um poderoso ministério na prisão. O ministério da intercessão.
O ministério da intercessão independe do local que estamos vivendo, independe de nossa escolaridade, idade, cultura ou posição social . Podemos exercê-lo em casa, sozinhos, em conjunto, nas cidades ou no campo. Paulo estava na prisão, isso não o impediu de orar.


1 ) Qual é a atitude do intercessor
2) Qual o conteúdo da intercessão.


1- Qual é a atitude do intercessor.
Vejamos na vida de Paulo, a respeito de qual deve ser a atitude de um intercessor:
A) A postura de Paulo revela reverência. (Ef.3.14)
“Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai”
Os judeus normalmente oravam de pé, mas Paulo se colocava de joelhos. Essa postura era usada em ocasiões especiais ou em excepcionais circunstâncias (Lc 22.41 e At 7.60).
A bíblia não torna sagrada a postura física com que devemos orar. Temos exemplos de pessoas orando em pé, assentados, ajoelhados, andando e até deitados. Obviamente não podemos ser desleixados com nossa postura física quando nos apresentamos àquele que está num alto e sublime trono. Um crente de joelhos enxerga mais longe que um filósofo na ponta dos pés. Quando a igreja ora, a mão onipotente que dirige o universo se move para agir providencialmente na história. Podemos e devemos concordar com a expressão: ”Quando o homem trabalha, o homem trabalha; mas quando o homem ora Deus trabalha.”
B) A motivação de Paulo revela alegria pela obra de Deus Pai na igreja (Ef 3.14-15)
Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai,
15 de quem toma o nome toda família, tanto no céu como sobre a terra,
Ef 3.1 Por esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Cristo Jesus, por amor de vós, gentios,
Paulo fala aqui nesses versículos, da igreja, como composição de famílias, tanto judeus quanto gentios: “toda a família”, ele fala da igreja invisível, aqueles que estão nos céus ,”tanto nos céus”, ele fala também da igreja visível “quanto na terra”. Fala da igreja militante, a que está nas lutas dessa terra, e fala da igreja triunfante, aquele que perseverou, venceu e está nos céus.
No verso 14, Paulo se dirige a Deus como o nosso Pai. Toda a paternidade de Deus se manifesta na igreja, na obra dele na vida dos crentes. O intercessor se alegra pela obra de Deus na igreja, se alegra pela vida da igreja, onde se manifesta a paternidade de Deus.
E é a este Pai, o único em quem a paternidade é vista com perfeição, que as pessoas se dirigem quando vêm orar.
C) A ousadia de Paulo revela sua confiança.(Ef 3.16)
16 para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior;
Paulo manifesta o desejo de que Deus atenda suas suplicas, “segundo a riqueza de sua glória”. Paulo tinha em mente os ilimitados recursos que estão disponíveis a Deus. Seus recursos são inesgotáveis.
Não existe nada impossível para o Senhor.
Ele pode todas as coisas.
Arthur Pink escreveu:
“Não poderemos ter correto conceito de Deus, se não pensarmos nEle como onipotente, igualmente como onisciente. Quem não pode fazer o que quer e não pode realizar o que lhe agrada, não poder ser Deus. Como Deus tem uma vontade para decidir o que julga bom, assim tem poder para executar a Sua vontade. "O poder de Deus é aquela capacidade e força pela qual Ele pode realizar tudo que Lhe agrade, tudo que a Sua sabedoria dirija, tudo que a infinita pureza da Sua vontade resolva. ".
Uma vez falou Deus": vede a Sua imutável autoridade, "Pois quem no céu se pode igualar ao Senhor? Quem é semelhante ao Senhor entre os filhos dos poderosos?" (Sl.89:6). "E todos os moradores da terra são reputados em nada; e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra: não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: que fazes?" (Dn.4:35). Esta realidade foi amplamente descortinada quando Deus Se encarnou e tabernaculou entre os homens. Ao leproso ele disse: "... sê limpo. E logo ficou purificado da lepra" (Mt.8:3). A um que jazia no túmulo já fazia quatro dias, ele bradou: "... Lázaro, sai para fora. E o defunto saiu..."(Jo.11:43-44). Os ventos tempestuosos e as ondas bravias se aquietaram a uma só palavra Dele. Uma legião de demônios não pôde resistir à Sua ordem repassada de autoridade.”( http://www.monergismo.com/textos/atributos_deus/poder_pink.htm)
É a confiança num Deus todo poderoso que motiva nossas orações, a confiança em um Deus que não nos responderá conforme nossa expectativa, mas sim segundo sua riqueza e glória.
“Para o bem de cada crente, Deus concedeu-lhe duas grandes e preciosas bênçãos que devemos usar diariamente: a Sua Palavra e a Oração. Pela Sua Palavra Deus revela-nos, além de muitas coisas mais, a grandeza da Sua bondade e da Sua misericórdia e a certeza de que estas nunca se esgotarão. Pelo Oração o crente reconhece a sua fraqueza e incapacidade de fazer coisa alguma, até mesmo de dirigir bem a sua própria vida, mas que Deus quer e é poderoso para nos sustentar, proteger e guiar.”( http://www.refrigerio.net/edicao119/poder-da-oracao.html)
Seja ousado na oração, revele a Deus que você confia no seu poder, e sabe que ele fará coisas grandiosas e inexplicáveis em sua vida, família e igreja.

Esse é o nosso 1º ponto: Qual é a atitude do intercessor.
A postura de Paulo revela reverência. (Ef.3.14) , A motivação de Paulo revela alegria pela obra de Deus Pai na igreja (Ef 3.14-15), A ousadia de Paulo revela sua confiança.(Ef 3.16).
2) Qual o conteúdo da intercessão.
Nesta oração , as petições de Paulo são como degraus de uma escada, cada uma delas subindo mais; o clímax da oração está nas ultimas palavras do vers. 19:” para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus. “
Qual é o conteúdo da oração de Paulo?
a) A oração de Paulo é uma suplica por poder interior ( o poder do Espírito Santo em nós).(Ef 3.16 e 17)
16 para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior; 17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
Paulo não está pedindo que haja mudanças nas circunstâncias, nem com relação a si mesmo, nem com relação a vida dos outros. Ele ora pedindo poder. Na sua oração Paulo não se preocupa com as coisas materiais, mas com as coisas espirituais.
Muitas orações estão centradas, apenas no suprimento material das necessidades humanas. Ele tem um anseio maior, o fortalecimento com o Espírito Santo. Ele não estava pedindo alivio dos problemas, mas sua oração era mais especifica, pedia o poder de Deus para vencer os problemas.
O poder é concedido pelo Espírito Santo. Precisamos buscar fortalecimento com poder porque somos fracos, o inimigo é astuto, a mente, coração e a vontade são fracos e precisam do poder do alto para viver em santidade.
Somente com uma vida de oração, estando cheios do Espírito Santo que a vontade de pecar vai embora, e a vontade de servir a Deus reina em nós.
Lucas 11.13 : “ Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?”
Ef 3.17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
Quando Cristo habita em nossos corações, somos fortalecidos com o Espírito Santo – a palavra no texto referente a habitar , não se refere a Cristo estar hospedado em nós, mas sim a Cristo morar definitivamente em nós, sendo o nosso dono, e aquele que governa e dirige nossas vidas de acordo com o seu querer. A palavra “habitar” aqui nesse texto também refere-se a “sentir-se bem ou sentir-se em casa”. Cristo sente-se em casa em nossos corações. Ele se alegra em habitar em você.
E se Cristo está presente em nossos corações algumas coisas não podem estar:
(2 Co 6.17e 18)
Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. 17 Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei, 18 serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.
Se Cristo está presente em nossos corações, os ídolos não tem espaço.
(Gl 5.24) “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. “
Se Cristo reina e habita em nossos corações, não espaço para a vontade da carne, que é a vontade de pecar.
A oração de Paulo era uma oração, de suplica pelo poder interior, habitando Cristo nos nossos corações, e sendo fortalecidos no poder do Espírito Santo.
b) A oração de Paulo era uma suplica por aprofundamento do amor fraternal.
17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,

O fortalecimento do Espírito Santo que Paulo pede, assim como a plena habitação de Cristo em nós, leva-nos a viver um aprofundamento do amor fraternal. A vida no Espírito Santo deve levar todos os crentes a saber o que é se amarem verdadeiramente, bem como se sentirem amados por Jesus Cristo.
A igreja passa a viver o proposito verdadeiro de Deus quando começa a vivenciar o amor dentro dela.
Você deve amar seus irmãos.
Você tem que se sentir amado pelos seus irmãos.
Paulo fala que nossas raízes devem ser o amor, Paulo fala que nosso alicerce é o amor. O que Paulo está orando é para que Cristo habite nos crentes. Qual é a evidência de que Cristo está vivendo em nós?
Vivermos uma vida arraigada e alicerçada no amor.
A parte mais importante em uma planta é a raiz, a parte mais importante em uma edificação é o alicerce. E Paulo ora pela raiz e o alicerce da igreja – o amor.
c) A oração de Paulo era uma suplica por compreensão do amor de Cristo ( Ef 3.18-19)

18 a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade
19 e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.
Paulo passa agora do nosso amor pelos irmãos para o amor de Cristo por nós. Precisamos COMPREENDER e CONHECER.
Compreender – fala do conhecimento intelectual do amor do Senhor
Conhecer – fala do conhecimento do amor alcançado pela experiência – do experimentarmos o amor de Cristo a cada dia.
Não podemos apenas compreender esse amor, mas temos que conhece-lo, a cada dia senti-lo, e a cada momento experimentá-lo.
Russel Shedd explica:
“Largura do amor de Cristo- Abrange membros de toda tribo, língua, povo e nação.
Comprimento do amor de Cristo -Abrange o tempo – começando no Éden, até o retorno de Cristo
Altura do amor de Cristo- vem do alto céu e desce até o mais baixo infernos – isto é na obra de Cristo.
Profundidade – O amor de Cristo vai chegar até os piores pecadores – Não há nenhum pecador e rebelde que não possa ser incluído em tão grande salvação.
d) A oração de Paulo é uma suplica pela plenitude de Deus (Ef 3.19b)
“ para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus.”


A oração de Paulo era que Deus habitasse plenamente na vida de cada pessoa da igreja dos Efésios.
É isso, que em oração, devemos buscar, a plena habitação de Deus em nossas vidas, sermos cheios do Espírito Santo de Deus e cheios da palavra de Deus.


Revisão:


Nosso tema neste texto foi:
Tema: O ministério da intercessão na vida de um servo.
Vimos dois pontos:
1 ) Qual é a atitude do intercessor
A postura de Paulo revela reverência. (Ef.3.14) , A motivação de Paulo revela alegria pela obra de Deus Pai na igreja (Ef 3.14-15), A ousadia de Paulo revela sua confiança.(Ef 3.16).


2) Qual o conteúdo da intercessão.
a) A oração de Paulo é uma suplica por poder interior ( o poder do Espírito Santo em nós).(Ef 3.16 e 17)
b) A oração de Paulo era uma suplica por aprofundamento do amor fraternal.
17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor,
c) A oração de Paulo era uma suplica por compreensão do amor de Cristo ( Ef 3.18-19)
d) A oração de Paulo é uma suplica pela plenitude de Deus (Ef 3.19b)


Conclusão
Paulo conclui essa oração louvando a Deus e expressando sua confiança plena em Deus, num Deus que quando oramos, não fará apenas o que pedimos, mas infinitamente mais do que tudo que pedimos, ainda mais, do que tudo o que pensamos:
20 Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós,
21 a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!
Seja qual for sua necessidade, seja qual for o problema que você estiver passando , entregue a Deus , confie – Ele é poderoso.
Pastor Welinton

quinta-feira, 16 de junho de 2011

A igreja de Éfeso

Ef 1.15-23
Por isso, também eu, tendo ouvido a fé que há entre vós no Senhor Jesus e o amor para com todos os santos,
16 não cesso de dar graças por vós, fazendo menção de vós nas minhas orações, 17 para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele,
18 iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos
19 e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder;
20 o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais,
21 acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro.
22 E pôs todas as coisas debaixo dos pés e, para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja, 23 a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas.
A igreja de Éfeso
Éfeso era a cidade mais importante da província romana de Ásia.
Em Éfeso estava o templo da deusa Diana dos Efésios, era considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo. Quando o apóstolo Paulo foi a Éfeso, perto do fim da sua segunda viagem missionária no primeiro século EC, a cidade tinha uns 300 mil habitantes. (Atos 18:19-21)
Em Éfeso também estava uma fabrica de ídolos de Diana, que movia a economia da cidade. A igreja de Éfeso nasceu em meio a esse contexto de grande idolatria, muitos praticantes do ocultismo se converteram a Cristo nessa igreja. Mas, a perseguição e a luta constante contra os ataques malignos marcaram a vida dessa igreja, a qual foi convocada para a perseverança.
Essa igreja deveria perseverar num contexto de idolatria.
Paulo, quando escreve aos Efésios estava preso em Roma, a beira da sentença de morte. Mas, a prisão não o impediu de escrever, e as cadeias não o impediram de orar e exercer o ministério da intercessão em favor da igreja que estava livrfe, porém sofrendo perseguição.
Nesses versículos, Paulo, com coração devoto, está lembrando-se de seus leitores, orando e agradecendo a Deus por eles, numa demonstração do seu espírito altruísta e intercessório. Nos versos 3 a 14 do mesmo capítulo, nossa posição em Cristo é assegurada pelas três bênçãos principais que emanam de Deus: fomos eleitos em Cristo para sermos santos e irrepreensíveis; fomos remidos pelo seu sangue; e fomos selados com o Espírito Santo até o dia em que corpo, alma e espírito sejam plenamente livres para o gozo eterno, o dia de Cristo.
Na carta aos efésio vemos a intercessão de Paulo em favor dessa igreja, e de suas dificuldades. Também em apocalipse, o Senhor Jesus revela uma carta destinada a essa igreja.
E nós veremos hoje:
Duas características marcantes da igreja de Éfeso.
1ª característica: Uma igreja que começou bem, mas esfriou-se no amor (vs.15 e 16)“Por isso, também eu, tendo ouvido a fé que há entre vós no Senhor Jesus e o amor para com todos os santos, 16 não cesso de dar graças por vós, fazendo menção de vós nas minhas orações,”
Paulo agradece a Deus pela vida dessa igreja, uma vida, que embora houvesse perseguições e estivesse inserida no meio de uma cidade idolatra, mantinha-se firme na fé, e amavam-se verdadeiramente.
Porém, esta igreja começou a esfriar-se.
Ap 2.1-4
1 Ao anjo da igreja em Éfeso escreve: Estas coisas diz aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:
2 Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos; 3 e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer.
4 Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.

Dentre as sete igrejas da Ásia a igreja de Éfeso se destacava como uma comunidade aparentemente perfeita. Jesus disse que conhecia suas obras e seu trabalho. Comentou a respeito de sua perseverança, uma virtude rara e necessária.

Falou também que aquela igreja não podia suportar os maus. Outra grande virtude da igreja de Éfeso era o fato de aborrecerem a obra dos nicolaítas. Essas pessoas eram aquelas que gostam de dominar, de dar ordens, de ter a superioridade. Isto por causa da conotação grega da palavra “nicolaíta” que significa “vitória” ou “domínio” sobre os leigos.
Parece, até, que nada faltava àquela igreja. Mas, faltava algo, sim, e algo muito sério, algo que provavelmente encobria todas as virtudes citadas na carta.

Jesus disse: “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor”.
Em resumo, a igreja de Éfeso perdeu o rumo. Entrou pelo caminho da apostasia, da apatia, da indiferença, da insensibilidade. De uma igreja cheia de vida passou a ser uma igreja cheia de marasmo e preguiça.

Perdeu a vivacidade, o entusiasmo, o ânimo, o alento, a coragem, a força, a seiva do Evangelho puro. “A energia primitiva havia desaparecido. O ardor evangelístico tinha se ido. A paixão pelas almas se esvaecera. A inspiração das mensagens declinara. A chama viva do ensino virou rotina. A influência na comunidade já não era a mesma. Provavelmente já haviam substituído a graça pela lei, o amor pelas exigências, a vida graciosa pelas regras espartanas.
Não podemos ser uma igreja que começa bem, mas depois perde o primeiro amor, uma igreja que perde o amor uns pelos outros, o amor por se estar nos cultos, o amor pela palavra de Deus.
2ª Característica: Uma igreja que precisava crescer no conhecimento de Deus.( Ef 1.18-19)
“18 iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos
19 e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder; “
No versículo 18 somos possibilitados a conhecer essas riquezas da sua glória. Já o versículo 19 indica o conhecimento da "suprema grandeza do seu poder sobre nós". Paulo nos dá a impressão de ter penetrado nas riquezas dos mistérios divinos e, então, quando usa o vocábulo "suprema", nos leva para dentro desses mistérios gloriosos. A palavra "suprema", dá o sentido literal de ultrapassar, ir além, lançar além. Dentro do contexto bíblico, a palavra fala daquilo que é extraordinário, ou fora de medida ou incomparável e sem medida. Isso indica que "as riquezas da glória da sua herança" (v. 18) ou "a suprema grandeza do seu poder" não se podem medir pelos cálculos humanos. Tudo em Deus é grandioso.
Paulo ora para que a igreja cresça em três conhecimentos essenciais:
1) Qual é a esperança do seu chamamento
2) Qual é a riqueza da sua glória
3) Qual é a grandeza do poder de Deus
1 – Qual é a esperança do seu chamamento - a esperança do nosso chamado é a garantia de que vamos habitar nos céus- devemos crescer nessa esperança.
2- Qual é a riqueza da sua glória – a igreja deve olhar para cima, e não para a terra, voltar os olhos ao céu, e não simplesmente viver buscando as coisas limitadas e corruptas que esta terra nos oferece.
3- Qual é a grandeza do poder de Deus – A igreja deve crescer dia após dia no poder de Deus, dia a dia ser cheio do Espírito Santo, e dia a dia ver mais das manifestações desse poder no seu cotidiano. Se hoje tivemos experiências com o poder de Deus, amanhã devemos ter experiências maiores. Se hoje amamos o poder de Deus, amanhã devemos amar mais a Deus do que hoje, e ver mais do seu poder em nossa existência.
A igreja de Éfeso, em apocalipse retrocedeu, mas o desejo de Deus, que foi expresso na carta de Paulo é cresçamos sempre mais e mais em Deus.
Concluindo: Vimos hoje um pouco sobre a igreja de Éfeso, e destacamos duas características dessa igreja:
1ª característica: Uma igreja que começou bem, mas esfriou-se no amor (vs.15 e 16)
2ª Característica: Uma igreja que precisava crescer no conhecimento de Deus.( Ef 1.18-19)
1) Qual é a esperança do seu chamamento
2) Qual é a riqueza da sua glória
3) Qual é a grandeza do poder de Deus

Veja também:

Mil Ilustrações para sermões

Cinco dicas para preparar uma boa pregação

sábado, 4 de junho de 2011

Oremos por avivamento no Japão


Intercedendo pelas nações
Lucas

10.2 E lhes fez a seguinte advertência: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara

O Japão tem enfrentado muitas calamidades durante o ano de 2011, por isso nós clamaremos ao Senhor pela sua bênção sobre esse país no mês de Junho, lembremos que o Senhor Jesus tem nos enviado para sermos testemunhas dele, até os confins da terra (Atos 1.8) , o lugar mais distante de nós aqui do Brasil é o Japão, por isso vamos levar o evangelho a esse país ATRAVÉS DAS NOSSAS ORAÇÕES, ROGANDO ao Senhor da seara que envie trabalhadores para sua seara no Japão.
Durante o mês de Junho, toda a igreja estará intercedendo pelo avivamento e conversão do Japão a Cristo, bem como pelas famílias descendentes de japoneses em Nova Aurora