terça-feira, 17 de maio de 2011

Praticando a Palavra de Deus em nossos relacionamentos.



Tiago 1.19-20
“19 Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. 20 Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus.”
Todos nós somos pessoas que tem de se relacionar com outros. Nossos relacionamentos iniciam em nosso lar, nas conversas e na convivência que temos com nossos cônjuges, filhos, pais, irmãos, avós, enfim familiares. É no relacionamento familiar que a pessoa aprende a se relacionar com o mundo. É na relação familiar que aprenderemos nos relacionar com a igreja, com colegas, com nossos superiores (patrões, chefes, professores). E ainda através do relacionamento familiar aprendemos a ter comunhão também com Deus.
E um bom relacionamento com as pessoas e com a família vai depender de como colocamos esse versículo em prática em nossas convivências.
Falar é muito simples e fácil, difícil mesmo é exercer a especial arte de ouvir. Muitos falam, e até demai! Não esperam que alguém termine de falar e respondem antes mesmo de ouvir a última frase. A ansiedade de muitos em falar demais e fora de hora, revela uma provável inquietude no íntimo, na alma. Portanto falar não é o problema; o que falar, como, quando e o que falar, é a grande questão.
Tiago, ao escrever sua carta, é bem prático no que se refere aos relacionamentos entre os cristãos ,entre os servos de Deus. Tiago é claro em mostrar que a palavra de Deus, não é apenas uma teoria para ser entendida, mas é claramente uma prática a ser vivida.
Tiago 1.22:”Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganado-vos a vós mesmos.”
Essa pratica da palavra é vivenciada em nossos relacionamentos, quando somos prontos para ouvir, tardios para falar, e tardios para nos irarmos.
Como praticaremos a palavra em nossos relacionamentos?

1)Sendo prontos para ouvir. (Tg 1: 19)
“Todo homem, pois, seja pronto para ouvir”
Estar pronto para ouvir é uma das maiores qualidades que uma pessoa pode ter. O ouvir, não é apenas ficar quieto ouvindo, mas é colocar o que se foi ouvido em prática. É obedecer. Proverbios 25.12 nos diz:”Como brinco de ouro e enfeite de ouro fino é a repreensão dada com sabedoria a quem se dispõe a ouvir.” (PV 25.12) A pessoa que se dispõem a ouvir a repreensão, a correção, quando lhe é chamado a atenção, e obedece a repreensão encontra uma jóia preciosa em sua vida. Ouvir a repreensão nos valoriza, nos adorna, nos torna pessoas mais especiais ( como o brinco de ouro).
O livro de provérbios ainda nos ensina a importância de ouvirmos os outros antes de tomarmos nossas atitudes:
Provérbios:
11.14 Não havendo sábia direção, cai o povo, mas na multidão de conselheiros há segurança.
15.22 Onde não há conselho fracassam os projetos, mas com os muitos conselheiros há bom êxito.
24.6 Com medidas de prudência farás a guerra; na multidão de conselheiros está a vitória.
Então dar ouvidos aos conselheiros, instituídos por Deus nas nossas vidas, nos levará a três coisas: Segurança, bom êxito e vitória.
O filho (a filha ) que ouve seus pais recebe essas bênçãos. O aluno (aluna) que ouve seus professores recebe essas bênçãos. O crente que ouve seus presbíteros e seus pastores recebe essas bênçãos.
Assim, estaremos praticando a palavra em nossos relacionamentos, sendo prontos para ouvir.

2) Sendo tardios para falar
“Todo homem, pois, seja... tardio para falar"
"Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha"
(Provérbios 18:13).
Um triste fato é que as vezes, quando duas pessoas estão tentando discutir pontos de vista opostos, uma delas demonstra grosseria interrompendo a outra repetidamente. Esta descortesia reflete um problema simples: Há um desejo maior de replicar a outra pessoa do que ouvir o que ela tem a dizer.
Julgamentos precipitados são feitos com relação a assuntos e problemas que deveriam ser avaliados e estudados cuidadosamente. É um triste fato que muitas pessoas sejam ligeiras para tirar conclusões antes de investigar.

Algumas pessoas são rápidas para falar sobre coisas a respeito das quais não conhecem , e a criticar os motivos de outros.
O Senhor nos ensina que devemos ser tardios no falar, ou seja, é preciso pensar antes, não sermos precipitados nas declarações ou em expor nossas conclusões. Às vezes a primeira impressão, leva-nos à conclusões que não correspondem com a realidade de uma situação. Bom é calar-se!
Vejamos os conselho de Deus através de Salomão:
Eclesiastes 5.2-3
“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu, na terra; portanto, sejam poucas as tuas palavras. 3 Porque dos muitos trabalhos vêm os sonhos, e do muito falar, palavras néscias.”
Eclesiastes5.6 – 7: “Não consintas que a tua boca te faça culpado, nem digas diante do mensageiro de Deus que foi inadvertência; por que razão se iraria Deus por causa da tua palavra, a ponto de destruir as obras das tuas mãos? .7 Porque, como na multidão dos sonhos há vaidade, assim também, nas muitas palavras; tu, porém, teme a Deus.”

”O homem prudente, este se cala.” (Pv 11.12)
“Até o tolo, quando se cala, é tido por sábio” ( Pv 17.28)
”No muito falar não falta transgressão, mas o que modera seus lábio é prudente” (Pv 10.19
)
Deixemos que as nossas línguas sejam dominadas pelo Espírito de Deus e saibamos falar ou nos calar na hora certa. É sábio quem pede ao Senhor domínio sobre sua língua.
Assim, estaremos praticando a palavra em nossos relacionamentos, sendo prontos para ouvir e sendo tardios para falar. E ainda:
3)Sendo tardios para nos irarmos (Tg 1: 19)
Todo homem, pois, seja ... tardio para se irar”.
O que realmente é a ira? No dicionário (Aurélio) encontramos a seguinte definição: “Cólera, raiva, indignação, desejo de vingança.” Quantas vezes tais sentimento afloram em nosso ser contra um irmão e levados pela precipitação da carne, os exteriorizamos trazendo sérias conseqüências. Por exemplo: Vidas são destruídas; amizades tornam-se em inimizades; depressões e desespero; acidentes, crimes são praticados; a obra de Deus é envergonhada; entre tantas outras conseqüências.
Mas, como seres humanos, vivendo nas dificuldades do dia-a-dia, infelizmente não estamos isentos da ira, da raiva, no entanto, como homens espirituais que somos, devemos observar a orientação que Paulo deu aos de Éfeso:
Efésios 4.26-27:
“ Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira, 27 nem deis lugar ao diabo.”
Efésios4.31 : Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia.
Quantas vezes em nossa falta de sabedoria nos expressamos no auge do “sangue quente” ou da “cabeça quente” e os resultados são terríveis! Esta não é a forma correta do Servo do Senhor agir, mas, se infelizmente isto vier a acontecer, o mandamento de Deus é que “Não se ponha o sol sobre a vossa ira” ou seja, é necessário resolver o problema o mais rápido possível; e para contornarmos determinadas situações, é preciso nos humilhar diante do irmão atingido e clamar o seu perdão.
A ira destitui o servo da graça de Deus, pois nos afasta da comunhão verdadeira com o Eterno. É impossível haver intimidade com Deus, quando o nosso coração está cheio de ira, cólera contra o próximo.
“Deixa a ira, abandona o furor...” (Sl 37.8)
”O homem de grande ira tem de sofrer o dano...” (Pv 19.19)
“O iracundo levanta contendas...” (Pv 29.22)
“Não te apresses em irar-te, porque a ira se abriga no íntimo dos insensatos.” (Ec 7.9)
Conclusão
Todos nós somos pessoas que tem de se relacionar com outros. Nossos relacionamentos iniciam em nosso lar, nas conversas e na convivência que temos com nossos cônjuges, filhos, pais, irmãos, avós, enfim familiares.
Tiago, ao escrever sua carta, é bem prático no que se refere aos relacionamentos entre os cristãos ,entre os servos de Deus. Tiago é claro em mostrar que a palavra de Deus, não é apenas uma teoria para ser entendida, mas é claramente uma prática a ser vivida.
Tiago 1.22:”Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganado-vos a vós mesmos.”
Essa pratica da palavra é vivenciada em nossos relacionamentos, quando somos prontos para ouvir, tardios para falar, e tardios para nos irarmos.
Praticando a Palavra em nossos relacionamentos.
Como praticaremos a palavra em nossos relacionamentos?
1)Sendo prontos para ouvir. (Tg 1: 19), 2) Sendo tardios para falar e 3) tardios para nos irarmos.
Assim nos relacionamentos serão abençoados e felizes!




Deus te abençoe muito!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Coloque-se na brecha

“E busquei dentre eles um homem que estivesse tapando o muro, e estivesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruí...