Pular para o conteúdo principal

O poder glorioso da ressurreição

Romanos 6.4; 4 Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida
2 Coríntios 4.6-18

4.6 Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo . 7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; 9 perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; 10 levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo. 11 Porque nós, que vivemos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal. 12 De modo que, em nós, opera a morte, mas, em vós, a vida. 13 Tendo, porém, o mesmo espírito da fé, como está escrito: Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos, 14 sabendo que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus também nos ressuscitará com Jesus e nos apresentará convosco. 15 Porque todas as coisas existem por amor de vós, para que a graça, multiplicando-se, torne abundantes as ações de graças por meio de muitos, para glória de Deus. 16 Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, 18 não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.

1. Introdução

Nos textos lidos O ensino evidente é que na ressurreição, o poder de Deus vence o poder da morte e nos dá vida plena, abundante. De fato, se morremos com Cristo para o pecado, com ele ressurgimos para uma vida nova. O nosso objetivo é descobrir as conseqüências práticas disto em nossa vida.
O 1º texto que lemos nos revela que já morremos para nossa vida com Cristo na cruz, assim como ele foi para a cruz, nós quando nele cremos morremos para o nosso querer e passamos a viver para sua vontade, e assim como ele foi ressuscitado passamos a viver, de maneira diferente, uma nova vida conforme a vontade dele.
O 2º texto revela-nos que diante das dificuldades que passamos, estamos morrendo como Cristo, porém para nossas próprias paixões, mesmo sofrendo como Cristo também sofreu; porém a ressurreição de Cristo é manifesta na nossa própria vida v.10 levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo. Deve existir em nosso corpo a manifestação de Cristo em nós.
O ensino evidente é que na ressurreição, o poder de Deus vence o poder da morte e nos dá vida plena, abundante.
1 – O poder da ressurreição traz vida nova. ( Rm 6.4)
"Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida
A palavra ensina que “como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida” (Romanos 6.4b).
O versículo lido diz que, assim como Cristo foi sepultado, existe o nosso sepultamento quando recebemos o batismo do Espírito Santo (em nossa conversão). Esse sepultamento se dá pelo fato de quando estamos com Cristo, abandonamos como numa sepultura quem éramos para vivermos o que Deus deseja que sejamos.
É justamente o que Deus deseja de nós, que deixemos como que na sepultura nossa vida em pecado, deixemos para traz o erro, aquilo que sabemos desagradar a Deus, e tenhamos uma nova vida. Paulo teve essa experiência de à partir do momento que creu em Cristo, sepultou o antigo Saulo, fariseu , perseguidor dos Cristãos, para que pudesse viver o novo Apostolo Paulo, homem de acordo com a vontade de Cristo. Assim, a vida de Paulo, como Cristo foi ressuscitado, passou a ser uma nova vida.
Já morremos para nós e ressuscitamos com Cristo?
Já houve uma transformação real na sua vida?
Você já passou pela experiência da Cruz e de abandonar sua própria vida, como num tumulo, para viver a verdadeira vida de Deus?
Viver com Cristo, e de acordo com a vontade de Cristo , só é possível se o poder que ressuscitou Cristo, dentre os mortos nos leve a viver a vida que Deus deseja para nós. Qual é esse poder? O Espírito Santo que em nós habita.
“Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita.” ( Rm 8.11)
2 – O poder da ressurreição transforma as nossas fraquezas em vitórias. (1 Co 4.7-10)
7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; 9 perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; 10 levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo
Somos vasos de barro
O poder de Deus que opera em nós é como um tesouro guardado em vasos de barro para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós. “para que fique claro que o poder supremo pertence a Deus e não a nós” (2 Coríntios 4.7b - BLH). Esses potes de barro representam as experiências humanas pontilhadas de tribulações, de angústias, de perplexidades, de perseguições, de abatimento e de exposição aos perigos de morte (2 Coríntios 4.8-10). Porque é onde terminam as nossas forças, é que começa a manifestação do poder de Deus. Paulo está nos mostrando, que somos fracos, mas quando reconhecemos a nossa fraqueza exterior diante das lutas, aquilo que é interior em nós, o poder de Deus, se manifesta.

v.11" Porque nós, que vivemos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal."
- Quando somos entregues à morte por causa de Jesus, através das lutas pela nossa fé, das perseguições que nos vem por crermos em Deus, a vida Dele se manifesta em nós (2 Coríntios 4.11). O poder da ressurreição opera pela graça, mediante a fé, no meio das fraquezas humanas e transforma as aparentes derrotas em vitórias, (Vs 15 e 16 a)"15 Porque todas as coisas existem por amor de vós, para que a graça, multiplicando-se, torne abundantes as ações de graças por meio de muitos, para glória de Deus. 16 Por isso, não desanimamos ..."
Há sofrimentos na sua vida exterior?
Há lutas?
Você reconhece que exteriormente você é como vaso de barro pronto a se quebrar?
Então, o que é interior em você, o poder do Espírito Santo vai se manifestar, você não agirá mais com tuas forças exteriores que são fracas, mas o que agirá é o tesouro de Deus que está em você, o mesmo poder que ressuscitou a Jesus , o poder do Espírito de Deus, entrará em ação e te trará vitórias. Tudo que existe , existe por amor de nós, para que vindo o livramento, venhamos a ser agradecidos.
Entendemos aqui que somos vasos de Barro – porém temos um tesouro dentro de nós:
Qual é esse tesouro?
2 co 4.5-" Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos, por amor de Jesus". –Quando o apostolo Paulo fala que, como vasos de barro temos um tesouro interior, está se referindo ao fato de que Jesus Cristo é Senhor e nós somos seus SERVOS.
Tomar a cruz significa viver num espírito constante de renúncia do eu, reconhecendo-nos como potes de barro, falhos, quebráveis, fracos, porém cheios do poder de Deus, para que Jesus Cristo reine em nossas vidas e o seu poder libertador seja exercido no mundo para a salvação de pessoas e extensão do reino de Deus.

3. O poder da ressurreição nos enche de bom ânimo e de esperança.
16 Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação,
Mesmo que as dificuldades venham nos corromper exteriormente, nos maltratando, algumas vezes nos entristecendo e nos trazendo abatimento, o nosso homem interior, o poder de Deus em nós, se renova e fortalece dia após dia.
A experiência do poder do Deus, que traz vida onde há morte, nos enche de ânimo e esperança, por que:
a) somos interiormente renovados de dia em dia mesmo quando o nosso corpo se corrompe (2 Coríntios 4.16); "16 Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia."
b) as tribulações não se comparam com a glória reservada para nós (2 Coríntios 4.17); . 17 "Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação". Talvez pensamos que nossas tribulações nessa terra são terríveis, e alguns pensem que nem vale a pena perseverar na fé, quando chegarmos no céu, veremos que tudo o que fizemos, todo o nosso esforço, não é nada perto da grandiosidade que é o lar celestial preparado para nós.
c) o tesouro guardado em potes de barro tem valor eterno e supera todas as expectativas humanas (1 Coríntios 2.9-10).
"...9 mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.
10 Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus ".
Conclusão

O 1º texto que lemos nos revela que já morremos para nossa vida com Cristo na cruz, assim como ele foi para a cruz, nós quando nele cremos morremos para o nosso querer e passamos a viver para sua vontade, e assim como ele foi ressuscitado passamos a viver, de maneira diferente, uma nova vida conforme a vontade dele.
O 2º texto revela-nos que diante das dificuldades que passamos, estamos morrendo como Cristo, porém para nossas próprias paixões, mesmo sofrendo como Cristo também sofreu; porém a ressurreição de Cristo é manifesta na nossa própria vida.
O ensino evidente é que na ressurreição, o poder de Deus vence o poder da morte e nos dá vida plena, abundante.
O poder glorioso da ressurreição
1 – O poder da ressurreição traz vida nova.
2 – O poder da ressurreição transforma as nossas fraquezas em vitórias.
3. O poder da ressurreição nos enche de bom ânimo e de esperança.

O mesmo poder que ressuscitou Jesus dentre os mortos é este que nos dá uma nova vida, que transforma nossas fraquezas em vitórias e que nos dá ânimo e esperança.

Pr Welinton Mehret

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…