domingo, 13 de março de 2011

O tempo que vivemos


Mateus 24.3-14
3 No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século.
4 E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. 5 Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos.
6 E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim.
7 Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares;
8 porém tudo isto é o princípio das dores. 9 Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome.
10 Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros;
11 levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos.
12 E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos.
13 Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.
14 E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim.
Essa semana fomos informados pelos meios de comunicação a sobre o 5º terremoto mais potente que atingiu o Japão, seguido de Tsunami, replicas do terremoto e transtornos nucleares com a explosão de uma usina. As autoridades japonesas aumentaram neste domingo (13) para 1.353 o número de mortos e para 1.085 o de desaparecidos pelo terremoto e posterior tsunami da última sexta-feira. Mas existe o temor de que o número ultrapasse os 10 mil
Quem conhece os textos bíblicos afirmam serem esses alguns dos sinais descritos por Jesus em Mateus 24.

Para termos um melhor entendimento do que Jesus ensinou, precisamos primeiro voltar a Mateus 23 e ver o contexto das afirmações de Jesus. Neste capítulo, Jesus apresenta numerosas acusações contra os chefes judeus pelo seu mau uso da Lei de Deus (Mateus 23:1-32). Ele então conclui sua condenação profetizando as conseqüências dos erros deles (Mateus 23:33-36) “Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? .34 Por isso, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas. A uns matareis e crucificareis; a outros açoitareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade; 35 para que sobre vós recaia todo o sangue justo derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem matastes entre o santuário e o altar. 36 Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre a presente geração.” Os judeus tinham matado pessoas de Deus no passado. Ainda que esta geração presente pensasse que estava acima das más ações de seus antepassados, ela era igualmente culpada. O castigo por matar pessoas de Deus recairia sobre esta mesma geração. Sobre aquela geração, Deus tinha já preparado um juízo, a destruição de Jerusalém, que ocorreu após o nascimento da igreja e durante sua perseguição.
(Mt 24verso 1 -2) “Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. 2 Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.” Quando Jesus e os discípulos estavam saindo de Jerusalém, os discípulos apontavam a Jesus as glórias do templo. Jesus aproveitou esta oportunidade para realçar seu ponto.Ele afirmou que o templo seria destruído até o ponto em que não seria deixada pedra sobre pedra. Ora, para os judeus tal destruição do templo só poderia significar o fim de Jerusalém, de sua nação e do mundo. Quando tiveram um momento em particular com Jesus, fizeram-lhe três perguntas: Quando estas coisas acontecerão? Qual será o sinal da tua volta? Qual será o sinal do fim dos tempos? (v.3) "No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século."
Jesus adverte seus discípulos que a destruição de Jerusalém seria logo. De fato, ocorreria durante a geração deles (Mateus 23;36; 24:34).
23.36- “Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre a presente geração”.
24.34; Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça”
Jerusalém -A cidade de Jerusalém foi destruída pelos romanos em 70 d.C. O cerco e a queda de Jerusalém são descritos com pormenores gráficos pelo historiador judeu do primeiro século, Flávio Josefo, no livro Guerras dos Judeus, que foi publicado cerca do ano 75 d.C.
O capitulo 24 e 25 de Mateus vem tratar dessas duas questões: a destruição de Jerusalém pelos Romanos e o tempo do fim.
4 E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. 5 Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos.
6 E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim.
7 Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares;
8 porém tudo isto é o princípio das dores.
Aqui Jesus fala de um tempo que ainda não é o fim, pois precede o arrebatamento da igreja, mas que é uma condição imediatamente anterior a ele, ou seja, que conduz ao fim. Nos versículos 4 e 5 o Senhor Jesus menciona a primeira onda de enganos dos tempos finais, a sedução em nível político, ideológico e religioso.
As guerras, ameaças, nação contra nação, reino contra reino se constituem no cenário propício para o surgimento do Anticristo, e ele surgirá quando a igreja for por Cristo tirada da terra. Mas, isso ainda não é o fim, pois haverão sete anos de tribulação, onde em 3 anos e meio – o Anticristo colocará uma falsa paz na terra, e depois haverá três anos e meio de tribulações- nesse tempo a igreja não estará na terra, mas judeus convertidos (144 mil) por causa do arrebatamento pregarão o evangelho e formarão uma igreja que será perseguida.
Mas nós queremos olhar para essa mensagem de Jesus e trazer algumas advertências em relação a sua volta, não pretendemos trazer um seminário sobre o fim dos tempos hoje, mas queremos olhar para os sinais que nos advertem que devemos nos preparar para o arrebatamento da igreja.

Vejamos alguns pontos:
1) Para o tempo que vivemos temos um alerta de Jesus (Mt 24.32 e 33)
“Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. 33 Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas.”
Cremos que todos os acontecimentos nesta terra estão debaixo da soberana vontade de Deus.E muitos questionamentos são colocados pelas pessoas diante de tragédias, como o terremoto no Japão, as Tsunamis, os desmoronamentos no Rio. Mas, o fato é que todas as pessoas notam esses acontecimentos. Jesus descreveu esses acontecimentos como sinais evidentes que o tempo di fim está próximo, esses sinais não são o fim, mas o principio das dores. São sinais que algo está por vir. Quando olhamos para uma figueira que começa dar suas folhas sabemos que o inverno está findando e está chegando o verão. Jesus nos faz uma alerta, quando vermos tais acontecimentos, é porque o tempo está mudando, estamos saindo de uma época para começar a outra. Estamos chegando no tempo em que a igreja será a arrebata com Jesus, e virá ao mundo a tribulação e o anticristo. Para depois vir o fim.
O alerta de Jesus é olhe para os acontecimentos e veja que o arrebatamento está “às portas”.
2) No tempo que vivemos a humanidade está despreocupada. ( Mt 24.37-39)
37 "Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem.
38 Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, 39 e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem."
Já sabemos que o tempo que vivemos é um tempo muito próximo ao arrebatamento. Porém vemos na humanidade de hoje , as mesmas características dos tempos em que Noé fez a arca antecedendo o dilúvio. Jesus nos fala de pessoas despreocupadas com a salvação, que estão simplesmente “vivendo a vida”. Comem, bebem, casam-se, festejam, carnaval, distrações, negócios, dinheiro e muitas outras coisas ocupam a mente do ser humano. Pessoas não param para refletir a respeito da vida, do retorno de Cristo, não pensam na morte, ou na vida eterna. Pessoas despreocupadas com a salvação e preocupadas com seu próprio mundo. Quando Cristo voltar buscar a igreja essas pessoas ficarão. E terão que passar por 7 anos de sofrimento e se em meio do sofrimento não aceitarem a Cristo, terão a condenação.
3) No tempo que vivemos devemos perceber a realidade do arrebatamento ( Mt24 40-41)
"Então, dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro;
41 duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra.
Jesus, na sua mensagem vem falar como será o arrebatamento. Onde dois estarão no campo, um será tomado, e deixado o outro; duas estarão trabalhando num moinho, uma será tomada, e deixada a outra."
Isso é uma realidade, um acontecimento futuro, mas real. Quem será tomado? Aquele que serve ao Senhor, que é de Jesus. E quem ficará? Aquele que ainda não entregou sua alma ao Senhor. Esse ficará, e se não se arrepender após a tribulação de sete anos será condenado. O tempo de hoje é o tempo do arrependimento, é o tempo da entrega ao Senhor, é o tempo de pertercermos totalmente a Deus. Você tem certeza que sua vida já é de Deus? Se você tem certeza, você também está certo que no dia do arrebatamento você não ficará.
4) Para o tempo que vivemos precisamos de atenção ( v.42 e 44)
24.42 " Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor.
24.44 Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá."

Jesus nos ordena vigiarmos. Mas o que é esse vigiarmos? É nos mantermos na expectativa, de que a qualquer momento ele chegará. E como nos encontrará , quando chegar?
Essa deve ser sua constante reflexão. Se Jesus voltasse buscar a sua igreja hoje, que tipo de vida apresentaria eu a ele?
Ele encontraria em mim fé?
Ele encontraria em mim amor?
Ele encontraria em mim vontade de estar com ele?
Ele encontraria em mim santidade?

Vigiar é atender as nossas vidas para que possamos ao sermos arrebatados honrar a Deus por aquilo que estamos fazendo e pelo modo que estamos vivendo.
Vigiar é viver como se daqui um segundo ele nos chamasse!

Você está vigiando?
Conclusão
Essa semana fomos informados pelos meios de comunicação a sobre o 5º terremoto mais potente que atingiu o Japão, seguido de Tsunami, replicas do terremoto e transtornos nucleares com a explosão de uma usina.
Quem conhece os textos bíblicos afirmam serem esses alguns dos sinais descritos por Jesus em Mateus 24. Jesus fala de um tempo que ainda não é o fim, pois precede o arrebatamento da igreja, mas que é uma condição imediatamente anterior a ele, ou seja, que conduz ao fim.
Jesus fala exatamente sobre o tempo em que vivemos
Vimos alguns pontos:
1- Para o tempo que vivemos temos um alerta de Jesus (parábola da figueira)
2- No tempo que vivemos a humanidade está despreocupada
3- No tempo que vivemos devemos perceber a realidade do arrebatamento
4- Para o tempo que vivemos precisamos de atenção ( v.42 e 44)
24.42 Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor.
24.44 Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá.
Amém
Pr Welinton Mehret

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Coloque-se na brecha

“E busquei dentre eles um homem que estivesse tapando o muro, e estivesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruí...