Pular para o conteúdo principal

O que dirige nossas vidas?

Salmos
5.8 SENHOR, guia-me na tua justiça, por causa dos meus adversários; endireita diante de mim o teu caminho;
23.3 refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
25.5 Guia-me na tua verdade e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação, em quem eu espero todo o dia.
27.11 Ensina-me, SENHOR, o teu caminho e guia-me por vereda plana, por causa dos que me espreitam.
119.35 Guia-me pela vereda dos teus mandamentos, pois nela me comprazo. 139.24 vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.
O QUE DIRIGE SUA VIDA?
Todo e qualquer indivíduo tem sua vida dirigida por algo.
A maioria dos dicionários define a palavra “dirigir” como “guiar, controlar, direcionar”. Se você está dirigindo um carro, estará naquele momento guiando, controlando e direcionando.
Qual a força que dirige sua vida?
Neste momento, você pode estar sendo dirigido por um pro­blema, por pressão ou por um prazo limitado. Você pode estar sendo dirigido por uma lembrança dolorosa, um temor ou uma crença inconsciente. Existem muitas circunstâncias, valores e emoções que podem dirigir sua vida.
Todos estes versículos vêm nos falando da direção de Deus em nossas vidas.
Mas, de fato temos nos submetido, como nesses versículos ao “guiar “ de Deus em nós?

Vejamos alguns pontos sobre o que pode estar dirigindo as nossas vidas.
1)Muitos são dirigidos pela culpa.(GN 4.11-13)
Caim, matou Abel seu irmão, e por não se arrepender do seu pecado, não o confessando a Deus, antes negando seu erro, o Senhor lançou sobre ele essa maldição:”(v.12) Serás fugitivo e errante pela terra.” A culpa de Caim o tornaria um peregrino, um errante ,um fugitivo, sua culpa guiaria sua vida.
Há pessoas que são guiados pelo sentimento da culpa:
Tais pessoas passam a vida inteira fugindo do remorso e ocultando sua vergonha. Pessoas dirigidas pela culpa são manipuladas por suas lembranças. Elas permitem que seu passado controle seu futuro. Elas freqüentemente culpam a si mesmas por sabotarem o próprio sucesso. Quando Caim pecou, sua culpa o fez cair da presença de Deus, e Deus disse: Você será um fugitivo errante pelo mundo.1 Isso descreve a maioria das pessoas hoje em dia — perambulando pela vida, sem propósito.
Somos produto de nosso passado, mas não temos de ser prisio­neiros dele. O propósito de Deus não é restringido pelo seu passado. Ele tornou um assassino chamado Moisés em um líder, e um covarde chamado Gideão em um corajoso herói. Ele também pode fazer coi­sas maravilhosas com o resto de sua vida. Deus é especialista em dar às pessoas um novo começo. A Bíblia diz:
Sl 32.1e2 :”Bem aventurado aquele cuja iniqüidade é perdoada, cujo pecado é coberto, Bem aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniqüidade e em cujo o espírito não há dolo”
2)Muitos são dirigidos pelo rancor e pela raiva. (Hb12.15)
Hebreus12.15 “ atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados; “
A raiz de amargura é qualquer tipo de mágoa ou raiva, que muitas vezes não é percebida, mas está bem firmada dentro do coração. Como uma erva daninha que cortada suas folhas, ela é imperceptível, mas logo ela aparece com toda a força.
Muitos se apegam a mágoas, sem jamais superá-las. Em vez de aliviarem sua dor através do perdão, revivem-na de contínuo em sua mente. Algumas pessoas dirigidas pelo rancor “se fecham” e interiorizam sua raiva, enquanto outras “explodem” sobre os outros. Ambas as reações são pernicio­sas e não trazem nenhum benefício.
O rancor sempre machuca mais a você que a pessoa que trouxe tal indignação. Enquanto aquele que o ofendeu provavelmente es­queceu o insulto e seguiu com sua vida, você continua angustiado em sua dor, perpetuando o passado.
Ouça: os que o magoaram no passado não podem continuar a magoá-lo, a menos que você se agarre à dor através do rancor. O que passou, passou! Nada poderá mudar o passado. Você apenas machu­ca a si mesmo com sua amargura. Para seu próprio bem, aprenda com o passado e então afaste-se dele. Ficar desgostoso e amargurado é loucura, é falta de juízo, que leva à morte?

3)Muitos são dirigidos pelo medo. (1 jo 4.18)
1 João4.18 : “No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.”
Seus temores são provavelmen­te o resultado de experiências traumáticas e de expectativas ilusóri­as, do crescimento em um lar extremamente severo ou mesmo de predisposição genética. Independentemente do que tenha causado tal situação, pessoas dirigidas pelo medo com freqüência perdem grandes oportunidades por terem medo de correr riscos. Em vez dis­so, elas se comportam de maneira cautelosa, evitando riscos e ten­tando manter a situação vigente.
O medo é a auto-imposição de um cárcere, que o impedirá de se tornar o que Deus pretende que você seja. Você tem de agir contra isso, com as armas da fé e do amor. A Bíblia diz: No amor não há medo; ao contrário, o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor.4
4) Muitos são dirigidos pelo materialismo.
Sl 39.6 Com efeito, passa o homem como uma sombra; em vão se inquieta; amontoa tesouros e não sabe quem os levará.
Jó 27. 16 e17
27.16 Se o perverso amontoar prata como pó e acumular vestes como barro, 17 ele os acumulará, mas o justo é que os vestirá, e o inocente repartirá a prata.
Para muitos o desejo de adquirir se torna o único objetivo na vida. O impulso de sempre querer mais baseia-se no conceito errôneo de que ter mais me tornará mais feliz, mais importante e mais protegido. Mas os três pensamentos são falsos. Posses somente trazem felicidade temporária.
Uma vez que as coisas não se modificam, acabamos nos entediando e então pas­samos a desejar modelos mais novos, maiores e melhores.
Também é um erro a concepção de que, quanto mais possuir, mais importante serei. Auto-estima e patrimônio não são a mesma coisa. Seu valor não é determinado pelas suas posses, e Deus deixa claro que as coisas mais valiosas da vida não são os bens! O mito mais freqüente a respeito do dinheiro é o que diz que, quanto mais dinheiro se tem, mais protegido se está. Isso não é verdade. Riquezas podem ser perdidas em um piscar de olhos, em virtude de uma enorme quantidade de fatores incontroláveis. A ver­dadeira proteção só pode ser achada naquilo que nunca poderão tomar de você — seu relacionamento com Deus.
5) Muitos são dirigidos pela necessidade de aprovação. (Mt 6.2,5)
Jesus se refere a um grupo de pessoas que colocavam na religiosidade a necessidade de serem vistos dos homens ao darem esmolas e ao fazerem suas orações – pessoas que tem a necessidade de serem aprovados pelos outros, e não entendem a necessidade da aporvação que vem de Deus.
Eles permi­tem que as expectativas dos pais, esposas, filhos, professores ou ami­gos controlem sua vida. Muitos adultos ainda tentam ganhar a aprovação de pais que nunca estão satisfeitos. Outros são di­rigidos pela pressão social, sempre preo­cupados com o que os outros poderiam pensar. Infelizmente, os que seguem a mul­tidão acabam normalmente perdidos nela.
Não conheço todas as chaves do su­cesso, mas uma chave para o fracasso é tentar agradar a todos. Ser controlado pelas opiniões dos outros é uma forma segura de dei­xar de lado os propósitos de Deus para sua vida. Jesus disse: Nin­guém pode servir a dois senhores.5
Conclusão
Nada é mais importante do que conhecer os propósitos de Deus para sua vida, e nada pode compensar o prejuízo de não conhecê-los: nem o sucesso, nem as riquezas, nem a fama, nem os prazeres. Sem um propósito, a vida é um movimento sem sentido, uma atividade sem direção e acontecimentos sem moti­vo. Sem um propósito, a vida é vulgar, mesquinha e inútil.
Que não sejamos dirigidos pela culpa, pelo rancor ou raiva, pelo medo , materialismo ou pela necessidade de ser aprovado pelos outros. Mas sejamos dirigidos pelo Senhor Deus e pela sua palavra.
Faça essa oração:
139.24 vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.

Welinton

Baseado em Rick Warren "Uma vida com propósitos".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…