Pular para o conteúdo principal

Honrando ao Senhor


Honrando ao Senhor
“Honra ao Senhor com os teus bens e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordaram de vinho os teus lagares”
(Pv 3.9-10)

Temos aqui uma promessa de Deus, onde Ele fala do seu suprimento abundante na vida de seu povo. Isso não se aplica somente aos celeiros e lagares hoje, de forma literal, como no caso dos judeus daquela época, mas também podemos entender que Deus está se referindo há uma provisão abundante. A promessa de Deus é suprir as necessidades materiais de seus filhos. Contudo, isto não acontece de forma automática, essa promessa é condicional, depende que façamos a nossa parte.
O texto bíblico lido pode ser dividido em duas partes: o que nós temos que fazer, e o que Deus fará depois que fizermos a nossa parte. Cremos que quando dizimamos cumprimos com a nossa mordomia cristã, e sabemos que quando, além de dizimarmos ofertamos recebemos a promessa de sermos abençoados financeiramente. Mas existe uma forma correta de dizimarmos e ofertarmos. O texto está dizendo: ”HONRA”. O conselho que Deus nos dá por meio de Salomão é o de honrarmos ao Senhor com os nossos bens. Sabemos que o dízimo é a devolução de 10% daquilo que recebemos como salário, e as ofertas devem ser segundo a proposta de nossos corações. A questão no texto lido é que tanto no dízimo, quanto nas ofertas, o que está em foco é a manifestação da honra a Deus. Pode ser que seu dízimo, não seja tão alto em questões monetárias, mas você honra a Deus, dizimando corretamente.
Além dos dízimos, as ofertas também são instituição de Deus ( Ml 3.8), não são elas um substituto para o dízimo, mas algo além do dízimo. E quando ofertamos, o que vale é a verdadeira intenção de nossos corações. Em 2 Co 9.7 diz:”Faça cada um conforme resolveu em seu coração, não com tristeza, nem por necessidade; por que Deus ama ao que dá com alegria” Então, quando alguém oferta para obra de Deus, com tristeza, com pesar, não estará honrando ao Senhor, mas quando com alegria estará acionando o principio da honra e da bênção. Uma ação inversa a essa foi o caso de Ananias e Safira, que trouxeram uma oferta de alto valor, mas com a motivação errada e recheada de mentira; disseram que haviam trazido todo o dinheiro da propriedade que venderam, tentando enganar os apóstolos, quando na verdade trouxeram apenas parte dele. E o que aconteceu? Deus se agradou? Não. Deus os julgou pelo que fizeram. Deus não queria o dinheiro deles, mas a honra.
Portanto, Deus deseja ser distinguido de todas as demais coisas das nossas vidas, mesmo as que temos como mais preciosas. 1 Sm 2.30:” porque aos que me honram, honrarei, porém os que me desprezam serão desmerecidos.”[1] Pr Welinton Mehret
[1] Artigo baseado em :Luciano Subirá:Honrando ao Senhor com nossos bens 3ª Ed. 2007 Editora Orvalho.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trazendo a Arca da Aliança

Como trarei a mim a arca de Deus? Leonard Ravenhill(1907-1994) foi um escritor e evangelista cristão britânico que focalizava em assuntos como oração e avivamento. É mais conhecido por desafiar a igreja moderna e seu mais notável livro é “Por Que Tarda o Pleno Avivamento?” Através de seu ensino e de seus livros, Ravenhill abordou as disparidades que ele percebia entre a Igreja do Novo Testamento e a Igreja moderna e apelou para a adesão aos princípios do avivamento bíblico, transcrevo um dos capítulos do Livro “Por Que Tarda O Pleno Avivamento: “Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar. O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes f…

Resgatando os valores perdidos no lar

Lucas 15.8-10
8 Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a procura diligentemente até encontrá-la?
9 E, tendo-a achado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.10 Eu vos afirmo que, de igual modo, há júbilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.
A parábola (ilustração) da dracma perdida faz parte do conjunto de parábolas que Jesus contou em Lucas 15 para ilustrar o amor de Deus pelos pecadores, a parábola da ovelha perdida, do dracma perdida e do filho pródigo. Nas três parábolas, Deus busca o que estava perdido, encontra o que estava perdido e celebra com grande alegria a recuperação do que estava perdido. Uma Dracma era uma moeda. Observa-se que a mulher descrita é uma camponesa pobre, e as dez moedas de prata, "provavelmente representam a poupança da família." [2] As moedas também poderião ser o dote da mulher, vestida como um ornamento, como u…

Mantendo o fogo de Deus aceso.

1 Samuel 3.1-4
3.1 O jovem Samuel servia ao SENHOR, perante Eli. Naqueles dias, a palavra do SENHOR era mui rara; as visões não eram freqüentes.
2 Certo dia, estando deitado no lugar costumado o sacerdote Eli, cujos olhos já começavam a escurecer-se, a ponto de não poder ver,
3 e tendo-se deitado também Samuel, no templo do SENHOR, em que estava a arca, antes que a lâmpada de Deus se apagasse, 4 o SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui!
Existia no tabernáculo, onde se adorava a Deus, um candelabro , com sete lâmpadas que deveriam sempre estar acessas. E também havia o altar de holocaustos, onde o fogo não poderia se apagar.
· Ex 27.20“Ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para manter uma lâmpada acesa continuamente” (Êxodo 27:20). –falando do candelabro
· Lv6 .12 e 13:“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o h…