Pesquisar este blog

sábado, 25 de abril de 2009

Nas asas da águia
Êxodo -19.4 Tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águia e vos cheguei a mim.
Dt 32.9-12
9 Porque a porção do SENHOR é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança. 10 Achou-o numa terra deserta e num ermo solitário povoado de uivos; rodeou-o e cuidou dele, guardou-o como a
menina dos olhos. 11 Como a águia desperta a sua ninhada e voeja sobre os seus filhotes, estende as asas e, tomando-os, os leva sobre elas, 12 assim, só o SENHOR o guiou, e não havia com ele deus estranho.”
Nós não temos muito contato com as águias de perto, só em fotos e filmes. Não entendemos muito sobre águias, sabemos que é uma grande ave. E quando a bíblia fala “como a águia”, isto não nos chama muito atenção. Mas, para Moisés e Israel as águias eram comuns, e ilustrar a vida deles com a águia era algo que se podia compreender.
Para entendermos um pouco mais estes versículos vamos ver algumas coisas:
“Os filhotes da águia são quem voam em suas asas. Na hora em que precisam aprender a voar, a mãe águia os tira do ninho com sua asa e os leva para um passeio; lá pelo meio do passeio ela sacode a asa e joga o filhotinho para o alto, que no susto, no desespero, começa a bater suas asas, e é assim que aprende a voar. Geralmente o filhotinho não consegue voar no primeiro susto e despenca em direção ao solo; nestas ocasiões a águia mãe, dá um vôo rasante e vai buscá-lo; leva-o de volta ao ninho e tempos depois vai repetir o processo até que ele aprenda voar. Este vôo nas asas da águia não é panorâmico, é um momento quando a maturidade é imposta.”
Logo ao referir-se a Deus levando o seu povo nas asas da águia, Moisés, não falava de um passeio, mas de um tempo onde o SENHOR estava exigindo deles maturidade.
O primeiro texto lido trata-se de quando Israel é tirado do Egito, por Deus, e o Senhor Deus está falando com Moisés no monte Sinai, onde daria a Israel os dez mandamentos, e o Senhor chama atenção para como os havia tirado do Egito e os havia trazido para o deserto, como estivessem carregados nas asas da águia. E, irmãos, durante quarenta anos, eles estariam nessa condição do cuidado de Deus, em sustentá-los no meio do deserto.
O segundo texto que lemos, é parte do cântico de Moisés, que ele cantou antes de morrer, foi seu ultimo cântico e foi proferido no limite da terra prometida. Israel havia chegado bem próximo de Canaã, porém ainda não havia entrado na terra, e Moisés não chegou a entrar na terra apenas a avistou de longe. E numa retrospectiva, ele olha para trás e vê a forma que Deus os havia conduzido desde que deixaram o Egito, e a forma que isto é ilustrado e no cuidado que a águia tem com os seus filhotes, mas agora Israel teria que enfrentar um novo momento, aonde Deus, como a águia, iria sacudir as suas asas e Israel teria que aprender a voar. Ou seja, Israel entraria em Canaã, e em Canaã, não teriam o mesmo cuidado que Deus lhes havia dado no deserto. A partir de Josué, substituto de Moisés, Deus iria cuidar de forma diferente de Israel, teriam que enfrentar a realidade de formas diferentes. Até então Deus tinha feito tudo pelo povo, mas agora eles haviam chegado a um ponto onde teriam que crescer. Querendo ou não, teriam mesmo que crescer.
Deus agiu assim com Israel e age assim conosco. Esta é uma crise pela qual cada cristão passa, sem distinção. Esta não é uma hora agradável, ninguém gosta de deixar o ninho.
As vezes, não entendemos o que está se passando nas nossas vidas. Dificuldades, em vez de diminuir, aumentam. Passamos por coisas que nunca gostaríamos de ter passado. A verdade é que muitos cristãos não chegam a entender isso nunca. Culpam a Deus, achando que Ele os rejeitou e acabam não crescendo nunca. Acabam não voando em sua vida de fé, e comunhão com Deus.
Mas, essa crise de aparente abandono e rejeição é inevitável, é parte integrante da vida Cristã, se ainda não aconteceu com você, vai acontecer, é apenas uma questão de tempo. É o amor de Deus nos forçando a amadurecer.
Por isso é importante entendermos, o que é estar nas asas da águia.
O que significa estar nas asas da águia?
1-Significa o tempo de deixar a meninice.
1 Co 13.v11 nos diz: ”Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.”
Precisamos crescer ! Quando somos lançados para cima, no meio das provações, é que chega esse crescimento. Porém, sabemos que enquanto estamos crescendo, tentando voar com as próprias asas, Deus está nos observando, pronto a nos socorrer.
Mas, ninguém deve rejeitar o seu próprio crescimento, ou amadurecimento. A bíblia fala do crescimento e espiritual o comparando ao crescimento físico. O apóstolo Paulo mostra em seu exemplo, que quando somos crianças nos comportamos como tal, e as outras pessoas também nos tratam assim; mas ao crescermos, não somente temos que deixar de agir como crianças, mas as pessoas a nossas volta, e em especial os pais, também que deixar de nos tratar como crianças.
Quem se converteu a pouco tempo, nem sempre será novo convertido, terá que crescer, amadurecer. E a medida da permissão de Deus, e que estamos, talvez, nos sentindo sozinhos, que na verdade não estamos, é que vamos aprendendo e crescendo. E não podemos rejeitar esse aprendizado e esse crescimento.
O que significa estar nas asas da águia?
2-Significa um processo de mudanças significativas.
Basicamente, a diferença no agir de Deus para com os Israelitas, entre a fase de voarem nas asas da águia, e a fase do amadurecimento forçado ao entrarem em Canaã, são três:
· Provisão especial – O maná diário, as codornizes, a água da rocha, as vestes e calçados que não se envelheciam.
· Direção especial – O Senhor adiante deles numa coluna de nuvem de dia, e de fogo à noite.
· Proteção excelente . O livramento da primeira guerra no caminho, e a vitória na primeira guerra que enfrentaram.
Há um tempo em nossas vidas em que ocorrem as seguintes mudanças:
1ª Mudança: O maná se finda para dar lugar ao produto da terra.
Ex 16.35. E comeram os filhos de Israel maná quarenta anos, até que entraram em terra habitada; comeram maná até que chegaram aos limites da terra de Canaã.
Durante quarenta anos foram sustentados desta forma milagrosa pelo Senhor, mas ao entrarem em Canaã e comerem do fruto da terra cessou o alimento especial.
Josué 5.12- No dia imediato, depois que comeram do produto da terra, cessou o maná, e não o tiveram mais os filhos de Israel; mas, naquele ano, comeram das novidades da terra de Canaã.
A aplicação disto, é que no começo da nossa caminhada de fé, Deus nos alimenta (com o alimento da palavra) de uma forma especial, até nas genealogias temos a experiência de ouvir a voz de Deus (isto é o maná, é a provisão especial). Mas chega a hora de começar a estudar e meditar de fato na Bíblia, é hora de nos aprofundarmos no conhecimento e buscarmos as antigas “novidades” de Deus para nós.
Também, há um tempo em nossas vidas, em que ocorre uma segunda mudança:
2ª Mudança: A coluna de nuvem e a de fogo cessam, para dar lugar a fé:
Êxodo 13. Vers. 21 e 22 nos contam o seguinte:
21 O SENHOR ia adiante deles, durante o dia, numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho; durante a noite, numa coluna de fogo, para os alumiar, a fim de que caminhassem de dia e de noite. 22 Nunca se apartou do povo a coluna de nuvem durante o dia, nem a coluna de fogo durante a noite.
Mas, quando chegaram em Canaã, tudo mudou. Nem sequer ouvimos falar mais da coluna de nuvem e de fogo. Quando Deus dá instruções a Josué para atravessarem o Jordão, ele diz que o povo deveria seguir a arca carregada pelos sacerdotes. Eles deveriam com fé, acreditar na palavra de Deus, pois a manifestação do poder de Deus, agora dependia disso.
Vejamos Josué capitulo 3.vers. 1 ao 4:
Levantou-se, pois, Josué de madrugada, e, tendo ele e todos os filhos de Israel partido de Sitim, vieram até ao Jordão e pousaram ali antes que passassem. 2 Sucedeu, ao fim de três dias, que os oficiais passaram pelo meio do arraial 3 e ordenaram ao povo, dizendo: Quando virdes a arca da Aliança do SENHOR, vosso Deus, e que os levitas sacerdotes a levam, partireis vós também do vosso lugar e a seguireis. 4 Contudo, haja a distância de cerca de dois mil côvados entre vós e ela. Não vos chegueis a ela, para que conheçais o caminho pelo qual haveis de ir, visto que, por tal caminho, nunca passastes antes.
No início de nossa caminhada cristã, muitos de nós passamos por experiências tremendas, onde vemos sobrenaturalmente Deus dirigindo as nossas vidas, até mesmo, sonhos, visões e palavras proféticas acontecem. Mas chega o momento que nossas ações serão dirigidas simplesmente por acreditar naquilo que Deus disse na sua palavra.
É o momento que aprendemos voar.
Também, há um tempo em nossas vidas, em que ocorre uma terceira mudança:
3ª Mudança: A proteção excelente é substituída pela batalha para conquista.
É um tempo, que temos que aprender a guerrear no mundo espiritual.
Quando Israel saiu do Egito, Deus os livrou de ver a guerra, conforme Êxodo 13. 17-18:
17 Tendo Faraó deixado ir o povo, Deus não o levou pelo caminho da terra dos filisteus, posto que mais perto, pois disse: Para que, porventura, o povo não se arrependa, vendo a guerra, e torne ao Egito. 18 Porém Deus fez o povo rodear pelo caminho do deserto perto do mar Vermelho; e, arregimentados, subiram os filhos de Israel do Egito.
Pela intercessão de Moisés, Deus deu vitória a Israel, contra Amaleque. Conforme Ex 17.8-13:
8 Então, veio Amaleque e pelejou contra Israel em Refidim. 9 Com isso, ordenou Moisés a Josué: Escolhe-nos homens, e sai, e peleja contra Amaleque; amanhã, estarei eu no cimo do outeiro, e o bordão de Deus estará na minha mão. 10 Fez Josué como Moisés lhe dissera e pelejou contra Amaleque; Moisés, porém, Arão e Hur subiram ao cimo do outeiro.11 Quando Moisés levantava a mão, Israel prevalecia; quando, porém, ele abaixava a mão, prevalecia Amaleque. 12 Ora, as mãos de Moisés eram pesadas; por isso, tomaram uma pedra e a puseram por baixo dele, e ele nela se assentou; Arão e Hur sustentavam-lhe as mãos, um, de um lado, e o outro, do outro; assim lhe ficaram as mãos firmes até ao pôr-do-sol. 13 E Josué desbaratou a Amaleque e a seu povo a fio de espada.
A primeira batalha Israel desbaratou Amaleque, Deus os estava abençoando através as mãos de Moisés. Quando saíram do Egito Deus os livrou de passar pela guerra. Mas agora havia chegado a vez de Israel entrar em Canaã e conquistar a terra da promessa, e para isso teriam que guerrear.
Teriam que cercar Jericó, e derrubar suas muralhas com o toque das trombetas. Teriam que conquistar Ai, e perderam a primeira batalha devido ao pecado de Acã, mas depois da santificação conquistaram Ai, e a partir daí, para conquistar e defender a terra, a vida de Israel foi marcada por momentos de guerra e de vitória.
Isso nos mostra que a batalha espiritual é um fato, não uma fantasia; vemos essa realidade nas Escrituras e no dia a dia.
Efésios 6.10-13, nos mostra uma grande realidade:
10 Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. 11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; 12 porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. 13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.

Assim como o Senhor poupou a seu povo no início de sua caminhada, também nós somos poupados até que tenhamos maturidade suficiente para entrar em batalha. Entendo por minha experiência que há um tempo em nossas vidas que não enfrentamos batalhas tão grandes e até, somos poupados de ver a guerra, pois não estamos preparados para enfrentar as ações do inimigo; mas, depois de estarmos mais consolidados o Senhor nos ordenará que batalhemos contra o inimigo.
Porém, não devemos desanimar nas horas de guerra, mas saber que é um sinal de que estamos no limite para entrarmos na terra prometida. A terra prometida é o período de plenitude, avivamento e onde seremos usados por Deus.
Conclusão.
Embora às vezes pareça que Deus age de maneira incerta ou imprevisível, sabemos que ele na verdade sabe o que faz. Ele está nos levando a maturidade.
Como no caso da águia a “mãe águia tira seus filhotes do ninho com sua asa e os leva para um passeio; lá pelo meio do passeio ela sacode a asa e joga o filhotinho para o alto, que no susto, no desespero, começa a bater suas asas, e é assim que aprende a voar”, nosso Deus está muitas vezes nos forçando ao amadurecimento.
As vezes, não entendemos o que está se passando nas nossas vidas. Dificuldades, em vez de diminuir, aumentam; passamos por coisas que nunca gostaríamos de ter passado. Essa águia simboliza Deus, que com seu amor está nos forçando a amadurecer.
Estamos assim : Nas asas da águia.
O que significa estar nas asas da águia?
1-Significa o tempo de deixar a meninice.
2-Significa um processo de mudanças significativas
.
Há um tempo em nossas vidas em que ocorrem as seguintes mudanças:
1ª Mudança: O maná se finda para dar lugar ao produto da terra.
Hora de começar a estudar e meditar de fato na Bíblia, é hora de nos aprofundarmos no conhecimento
2ª Mudança: A coluna de nuvem e a de fogo cessam, para dar lugar a fé:
3ª Mudança: A proteção excelente é substituída pela batalha para conquista.
Se você está sendo forçado a amadurecer, a guerrear, é porque está chegando o tempo da sua herança, o tempo de receber todas as promessas de Deus para sua vida. É hora de bater as asas e voar como águia.

Welinton Mehret
Baseado no livro “O agir invisível de Deus”, de Luciano Subirá.

3 comentários:

  1. PALAVRA avivadora Pastor.
    Amém. Precisamos entender que o Senhor não nos dá fardo maior do que possamos carregar e agradecermos as dificuldades, pois só com elas vem o amadurecimento, na vida e na fé.

    ResponderExcluir