terça-feira, 8 de maio de 2018

Modo de Vida Cristã

Óleo da Unção: Modo de Vida Cristã: 12   Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam; 1...

terça-feira, 10 de abril de 2018

Um novo tempo para a igreja e para o Brasil


Is 62.1-5

1 Por amor de Sião, me não calarei e, por amor de Jerusalém, não me aquietarei, até que saia a sua justiça como um resplendor, e a sua salvação, como uma tocha acesa. 2 As nações verão a tua justiça, e todos os reis, a tua glória; e serás chamada por um nome novo, que a boca do SENHOR designará.
3 Serás uma coroa de glória na mão do SENHOR, um diadema real na mão do teu Deus. 4 Nunca mais te chamarão Desamparada, nem a tua terra se denominará jamais Desolada; mas chamar-te-ão Minha-Delícia; e à tua terra, Desposada; porque o SENHOR se delicia em ti; e a tua terra se desposará.
5 Porque, como o jovem desposa a donzela, assim teus filhos te desposarão a ti; como o noivo se alegra da noiva, assim de ti se alegrará o teu Deus.
6 Sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas, que todo o dia e toda a noite jamais se calarão; vós, os que fareis lembrado o SENHOR, não descanseis,
7 nem deis a ele descanso até que restabeleça Jerusalém e a ponha por objeto de louvor na terra.
8 Jurou o SENHOR pela sua mão direita e pelo seu braço poderoso: Nunca mais darei o teu cereal por sustento aos teus inimigos, nem os estrangeiros beberão o teu vinho, fruto de tuas fadigas.
9 Mas os que o ajuntarem o comerão e louvarão ao SENHOR; e os que o recolherem beberão nos átrios do meu santuário.
10 Passai, passai pelas portas; preparai o caminho ao povo; aterrai, aterrai a estrada, limpai-a das pedras; arvorai bandeira aos povos.
11 Eis que o SENHOR fez ouvir até às extremidades da terra estas palavras: Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador; vem com ele a sua recompensa, e diante dele, o seu galardão.
12 Chamar-vos-ão Povo Santo, Remidos-Do-SENHOR; e tu, Sião, serás chamada Procurada, Cidade-Não-Deserta.

"Nunca mais te chamarão: "Desamparada", nem a tua terra se denominará jamais: "Assolada"; mas chamar-te-ão: "O meu prazer está nela", e à tua terra: "A casada"; porque o SENHOR se agrada de ti, e a tua terra se casará. Porque, como o jovem se casa com a virgem, assim teus filhos se casarão contigo; e como o noivo se alegra da noiva, assim se alegrará de ti o teu Deus."
V 4 e 5
         Qual é a nossa perspectiva em relação aos acontecimentos futuros de nosso pais? Muitas vezes desastrosas, porque achamos que a corrupção e as questões politicas tendem a piorar. Mas, será que isso não será mudado por Deus? O fato é, que nós muitas vezes como brasileiros estamos desanimados com nossa nação, enquanto outros de fora do país estão orando por nós, para que haja em nosso país um novo momento. A questão, ainda mais difícil, é que nossa tendência como igreja é desanimarmos também, tomamos as dificuldades do mundo e as tribulações da vida pra dentro de nossa vida como igreja, e vamos aos poucos caindo em uma religiosidade, onde não vemos que existe esperança de mudança, e acabamos por ser uma igreja que não evangeliza, que não ora e que não cresce, caímos no desanimo.
A MUDANÇA COMEÇA EM NÓS, A MUDANÇA COMEÇA NA IGREJA.
         Cremos que haverá sim uma mudança na nação brasileira, mas essa mudança não virá com as próximas eleições, cremos que a mudança que virá, será fruto de uma nova época onde a igreja acordará e alcançará, com o evangelho, nossa nação. Então a mudança do país não depende exatamente da politica, mas de Deus. 2 Cr 7.14” Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar, me buscar e se converter dos seu maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei seus pecados e sararei a sua terra.” E Deus agirá conforme o posicionamento que sua igreja tomar.
- Tem surgido então em nosso tempo, Movimentos de 21 dias de jejum e oração pelo avivamento brasileiro. Em Maringá está sendo preparado uma casa de oração 24h todos os dias para interceder pelo país, assim como existem algumas já espalhadas pelo nosso país.
         Há esperança para a igreja e há esperança para nossa nação, bem como há esperança para sua família e há esperança pra você.
Lemos hoje uma profecia de Isaías.
Apesar, de ser um profeta que se aplica a profetizar na parte Sul de Israel, como está no cap 1v 1 Visão de Isaías, filho de Amoz, que ele teve a respeito de Judá e Jerusalém, nos dias de Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias, reis de Judá”; Isaias profetizou no período mais crucial da história de Judá e Israel. Ambos os reinos do Norte e do Sul haviam experimentado cerca de meio século de poder e prosperidade crescentes. Porém, Israel, governado por Jeroboão e outros seis reis de menor importância, tinha caído ao culto pagão; Judá, sob Uzias, Jotão e Ezequias, manteve uma conformidade exterior à ortodoxia, mas, gradualmente, caiu num sério declínio moral e espiritual (3.8-26), vejamos alguns exemplos:
·        Lugares secretos de culto pagãos eram tolerados;
·        O rico oprimia o pobre;
·        As mulheres negligenciavam suas famílias na busca do prazer carnal;
·        Muitos dos sacerdotes e profetas tornaram-se bêbados que queriam agradar os homens (5.7-12,18-23; 22.12-14).
·        Estava claro para Isaías que a aliança registrada por Moisés nos mandamentos, havia sido tão inteiramente violada, que o cativeiro e o julgamento eram inevitáveis para Judá, assim como o era para Israel.
·        Então, em Isaías vemos referencias ao exílio de Jerusalém, uma delas podemos ver claramente : Is 5.13:” Portanto, o meu povo será levado cativo, por falta de entendimento; os seus nobres terão fome, e a sua multidão se secará de sede.
·        Então, toda essa idolatria levou o Senhor a trazer o império babilônico sobre o povo de Judá (tribos: Benjamim, Juda e Simeão) e posteriormente o império da Assíria veio sobre os restante de Israel (Efraim, Dã, Manassés, Isaacar, Zabulon, Naftali, Aser, Gad e Ruben.).
·        Apesar do restante de Israel ser dissipado, e outros povos serem colocados no Norte pela Assíria , o povo de Judá recebeu promessas de restauração, e depois de 70 anos retornaram do exílio. Então em Isaías temos essas promessas, bem como nos demais profetas, essas promessas que temos em Isaías referem-se também ao reino milenar de Cristo, que ocorrerá após o arrebatamento, e após o reinado da besta que são os sete anos de tribulação.
·        As profecias bíblicas têm 4 aplicações: 1º-  o próprio tempo que a profecia foi dada, os acontecimentos físicos que se deram como cumprimento temporal da profecia ,( o que aconteceu naquela época).2º O tempo de Jesus na terra- porque grande parte das profecias se referiam ao nascimento, vida, morte e ressurreição de Jesus,3º  O nosso tempo, porque toda a palavra de Deus é útil também para o nosso tempo, é a causa de ela ter sido registrada. 4º o tempo futuro – grande parte das profecias tem seu total cumprimento no retorno de Cristo.
É interessante que o texto que lemos hoje fala, do tempo de Jerusalém, seu exílio e restauração, é uma mensagem de restauração- o povo iria ao cativeiro, mas depois voltaria pra viver um tempo de restauração. O texto, fala do tempo do milênio de Cristo na terra, quando reinará por 1000 anos em Jerusalém,  fala da Nova Jerusalém que é o céu eterno, (v,2), nesse tempo todas as nações serão dirigidas através de Jerusalém, onde estará o Messias v,2 e 3 - . 2 As nações verão a tua justiça, e todos os reis, a tua glória; e serás chamada por um nome novo, que a boca do SENHOR designará.
3 Serás uma coroa de glória na mão do SENHOR, um diadema real na mão do teu Deus. Mas o texto também refere-se a igreja de Jesus, como a noiva, a comparando a Jerusalém e chama a igreja para cumprir sua pregação  aos povos para que conheçam a Deus.
Is 62.10-12 “10 Passai, passai pelas portas; preparai o caminho ao povo; aterrai, aterrai a estrada, limpai-a das pedras; arvorai bandeira aos povos. 11 Eis que o SENHOR fez ouvir até às extremidades da terra estas palavras: Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador; vem com ele a sua recompensa, e diante dele, o seu galardão. 12 Chamar-vos-ão Povo Santo, Remidos-Do-SENHOR; e tu, Sião, serás chamada Procurada, Cidade-Não-Deserta.”
         Então , essa não é uma profecia só para Jerusalém, ou só para o milênio essa é uma profecia para a igreja também. Cremos na restauração da igreja, cremos no avivamento, cremos num tempo de restauração que precede o arrebatamento da igreja do Senhor Jesus.

Quais são as características de novo tempo?
1º ) É um tempo onde a humilhação será retirada, dando lugar ao prazer de Deus.(v.4)
Nunca mais te chamarão Desamparada, nem a tua terra se denominará jamais Desolada; mas chamar-te-ão Minha-Delícia; e à tua terra, Desposada; porque o SENHOR se delicia em ti; e a tua terra se desposará. “
         Hefzibá – é a expressão hebraica traduzida por minha Delícia.
        Deus, apesar de permitir o cativeiro, olha para Jerusalém com amor, e promete ao seu povo, um tempo que eles não viveriam trazendo desgosto ao Senhor, mas trariam alegria e prazer a Deus, ao ponto do Senhor olhar para eles e dizer: “ Vocês são minha delícia, eu tenho prazer em vocês”. Ele quer olhar para a sua igreja e dizer :  “ Vocês são minha delícia, eu tenho prazer em vocês”. Deus não quer olhar para a igreja e dizer que a igreja lhe traz amargura.
         Também Deus quer olhar pra sua família e dizer : “ Vocês são minha delícia, eu tenho prazer em vocês”.
         Jerusalém estava na humilhação, por haver desagradado a Deus com seus pecados e idolatria. Tantas vezes estamos na humilhação, porque não temos dado alegrias a Deus. Mas, a palavra de Deus, está nos dando uma esperança, uma esperança de restauração, está proclamando hoje um tempo que Deus olhará para nós e dirá: Hefzibá- Minha delícia.
         É chegado o tempo de vivermos para agradar ao Senhor e não a nós mesmos, é chegado o tempo de vivermos para sermos a delícia do Senhor e não a delicia do diabo. E é chegado o tempo de nos posicionarmos de maneira diferente, de maneira em que não temos nossa delícia no pecado, mas termos Deus também como nossa Delícia. E com certeza quando tivermos prazer em Deus, ele terá prazer em nós.
A palavra compraz, ou se compraz , significa ter prazer, deleitar-se, veja alguns textos:
Salmos

35.27 Cantem de júbilo e se alegrem os que têm prazer na minha retidão; e digam sempre: Glorificado seja o SENHOR, que se compraz na prosperidade do seu servo!
37.23 O SENHOR firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz;
111.2 Grandes são as obras do SENHOR, consideradas por todos os que nelas se comprazem.
112.1 Aleluia! Bem-aventurado o homem que teme ao SENHOR e se compraz nos seus mandamentos.
          Deus quer tirar a humilhação de sua vida e substitui-la pelo prazer dele em você.

2º ) É um tempo onde o crescimento numérico vem, acompanhado de aliança(v.5)
5 Porque, como o jovem desposa a donzela, assim teus filhos te desposarão a ti; como o noivo se alegra da noiva, assim de ti se alegrará o teu Deus.
         O retorno dos filhos de Jerusalém a cidade, é comprado a um casamento, onde o jovem desposa a donzela. ” Assim teus filhos desposarão a ti”.
         A questão aqui, não o ato do casamento, mas o que ele representa. O casamento é uma aliança indissolúvel, embora o mundo ensine ao contrário. Da mesma forma, os filhos de Jerusalém voltariam a Jerusalém , como num casamento, em uma aliança indissolúvel. Deus estava dizendo que os habitantes de Jerusalém voltariam para a cidade, voltando do cativeiro da babilônia, como num casamento, para nunca mais se separarem de Jerusalém, em uma aliança de permanecer. A questão é que o retorno do povo do exílio traria a segurança de que eles não voltariam mais para lá. Essa é uma profecia com um forte cumprimento também no milênio de Cristo.
         Quem se casa e depois arruma um motivo para se divorciar, não entendeu a aliança que fez.  Mas, podemos falar dessa aliança matrimonial em relação a igreja – Deus proclama um tempo em que as pessoas voltariam para igreja em uma aliança, para não mais se afastar dela, não mais se afastar do povo de Deus, não voltariam para cá e depois sairiam, mas voltariam com aliança, com compromisso.
         A grande questão de pessoas que professam sua fé, são batizadas e tomam a ceia do Senhor e depois saem da igreja e vão para o pecado, é que elas não entenderam que fizeram uma aliança com o Senhor. A aliança que fizeram não está em seus corações, por isso, não estão casados com o Senhor, não estão comprometidos com a igreja, não estão aliançados. E devido a essa falta de aliança, tantas vezes as igrejas tem perdido o seu crescimento. Mas o avivamento que Deus está propondo em Isaías 62, não é um inchaço na igreja, mas um grande crescimento com aliança, não aliança mundana que se dissolve na primeira dificuldade, mas uma aliança permanente e eterna , onde a pessoa que se alia, não deixará a casa do seu Senhor nunca mais, mas será fiel até a morte recebendo a coroa da vida.
Jeremias 32: 36-41:
Agora, pois, assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, acerca desta cidade, da qual vós dizeis: Já está entregue nas mãos do rei da Babilônia, pela espada, pela fome e pela peste. 37 Eis que eu os congregarei de todas as terras, para onde os lancei na minha ira, no meu furor e na minha grande indignação; tornarei a trazê-los a este lugar e farei que nele habitem seguramente.
38 Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.
39 Dar-lhes-ei um só coração e um só caminho, para que me temam todos os dias, para seu bem e bem de seus filhos.
40 Farei com eles aliança eterna, segundo a qual não deixarei de lhes fazer o bem; e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim.
41 Alegrar-me-ei por causa deles e lhes farei bem; plantá-los-ei firmemente nesta terra, de todo o meu coração e de toda a minha alma.


Agora, pois, assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, acerca desta IGREJA, da qual vós dizeis: Já está entregue nas mãos do rei da Babilônia, pela espada, pela fome e pela peste.
.37 Eis que eu os congregarei de todas as terras, para onde os lancei na minha ira, no meu furor e na minha grande indignação; tornarei a trazê-los a este lugar e farei que nele habitem seguramente.
38 Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.
39 Dar-lhes-ei um só coração e um só caminho, para que me temam todos os dias, para seu bem e bem de seus filhos.
40 Farei com VCS aliança eterna, segundo a qual não deixarei de lhes fazer o bem; e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim. 41 Alegrar-me-ei por causa deles e lhes farei bem; plantá-los-ei firmemente nesta IGREJA, de todo o meu coração e de toda a minha alma.
É um tempo onde o crescimento numérico vem, acompanhado de aliança(v.5)
É UM TEMPO DE VOCÊ E SUA FAMÍLIA ENTRAREM  EM ALIANÇA DE BUSCAR O SENHOR.

3º ) É um tempo onde as pessoas procurarão Jerusalém, para habitar nela. (v.12)
12 Chamar-vos-ão Povo Santo, Remidos-Do-SENHOR; e tu, Sião, serás chamada Procurada, Cidade-Não-Deserta.


         Jerusalém estava destruída e desabitada, e Deus promete que os povos chamariam Jerusalém, de povo Santo, Remidos, Procurada e não deserta.
         Deus promete que a cidade de Jerusalém seria chamada de procurada. Essa é uma profecia para a igreja, a igreja é o povo Santo, conforme 1 PE 2.9, a igreja é remida ( comprada na cruz) e a igreja é procurada por pessoas que nela estarão servindo a Deus, nela estarão habitando.
         Vamos ver alguns versículos:
At 2.47 louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.
Jl 2 .28,29 e 32
28 E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões; 29 até sobre os servos e sobre as servas derramarei o meu Espírito naqueles dias. 32E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque, no monte Sião e em Jerusalém, estarão os que forem salvos, como o SENHOR prometeu; e, entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar.

          A segunda parte da profecia de Joel 2, refere-se ao tempo do fim, e o texto diz  virá um tempo,  e é esse, que todo o que invocar o nome do Senhor será Salvo. O tempo do grande e ultimo avivamento.
Isaías 54, 1 a 3:
54.1 Canta alegremente, ó estéril, que não deste à luz; exulta com alegre canto e exclama, tu que não tiveste dores de parto; porque mais são os filhos da mulher solitária do que os filhos da casada, diz o SENHOR. .2 Alarga o espaço da tua tenda; estenda-se o toldo da tua habitação, e não o impeças; alonga as tuas cordas e firma bem as tuas estacas. 3 Porque transbordarás para a direita e para a esquerda; a tua posteridade possuirá as nações e fará que se povoem as cidades assoladas.

         A estéril aqui é Jerusalém, a palavra de Deus sairia dos limites Judeus através  de Jesus, e seria ( é ) acrescentado ao povo de Deus todo aquele que nele crê. Essa profecia é para igreja.
Conclusão
Há esperança para a igreja e há esperança para nossa nação, bem como há esperança para sua família e há esperança pra você. Essa não é uma profecia só para Jerusalém, ou só para o milênio essa é uma profecia para a igreja também. Cremos na restauração da igreja, cremos no avivamento, cremos num tempo de restauração que precede o arrebatamento da igreja do Senhor Jesus.

         Quais são as características de novo tempo?
1º ) É um tempo onde a humilhação será retirada, dando lugar ao prazer de Deus.(v.4)
4 Nunca mais te chamarão Desamparada, nem a tua terra se denominará jamais Desolada; mas chamar-te-ão Minha-Delícia; e à tua terra, Desposada; porque o SENHOR se delicia em ti; e a tua terra se desposará.
2º ) É um tempo onde o crescimento numérico vem, acompanhado de aliança(v.5)
5 Porque, como o jovem desposa a donzela, assim teus filhos te desposarão a ti; como o noivo se alegra da noiva, assim de ti se alegrará o teu Deus.
Jeremias 32.40: 40 Farei com eles aliança eterna, segundo a qual não deixarei de lhes fazer o bem; e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim.
3º ) É um tempo onde as pessoas procurarão Jerusalém, para habitar nela. (v.12)
12 Chamar-vos-ão Povo Santo, Remidos-Do-SENHOR; e tu, Sião, serás chamada Procurada, Cidade-Não-Deserta.
 Jerusalém de Deus no Brasil: Porque transbordarás para a direita e para a esquerda; a tua posteridade possuirá as nações. – Is 45.3
Salmos 2.8 “Pede-me, e eu te darei as nações por herança e as extremidades da terra por tua possessão”.

Profetizamos um novo tempo para a Jerusalém de Deus!

Melquisedeque - Duas alianças, dois reis.



" Ouvindo Abrão que seu sobrinho estava preso, fez sair trezentos e dezoito homens dos mais capazes, nascidos em sua casa, e os perseguiu até Dã.
15 E, repartidos contra eles de noite, ele e os seus homens, feriu-os e os perseguiu até Hobá, que fica à esquerda de Damasco.16 Trouxe de novo todos os bens, e também a Ló, seu sobrinho, os bens dele, e ainda as mulheres, e o povo. 17 Após voltar Abrão de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele, saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma no vale de Savé, que é o vale do Rei.
18 Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo; 19 abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; 20 e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo.
21 Então, disse o rei de Sodoma a Abrão: Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo. 22 Mas Abrão lhe respondeu: Levanto a mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o que possui os céus e a terra,
23 e juro que nada tomarei de tudo o que te pertence, nem um fio, nem uma correia de sandália, para que não digas: Eu enriqueci a Abrão;
24 nada quero para mim, senão o que os rapazes comeram e a parte que toca aos homens Aner, Escol e Manre, que foram comigo; estes que tomem o seu quinhão."
(Gênesis 14.14-24). 

         Jesus declarou Mt 6.24:”  Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.”
         Um dos grandes males na vida do ser humano é deixar de ter as riquezas, ou o dinheiro, como uma dadiva de Deus e torna-los um deus , tornando-se servo das riquezas ou do dinheiro em vez de senhor sobre os mesmos. É aí que surge o perigo, onde muitas pessoas fazem alianças erradas para satisfazer a sede pelo dinheiro. Aí que entram os perigos, como o abuso de poder, a corrupção na politica, a fraude e muitos outros.
         Abrão foi um homem rico, Deus o tornou num grande fazendeiro, mas sua aliança foi feita com Deus e não com os bens que possuíra.
         O texto lido hoje está inserido no contexto o resgate de Ló, o sobrinho de Abrão que fora criado por ele.
         Aconteceu que certa fez, o coração de Ló foi inflamado pela sua prosperidade e desviou-se de Abraão. Ló era sobrinho de Abrão, filho do falecido irmão de Abrão Harã, e vivia com Abrão e Sara como se fosse um filho. Mas um dia Ló prosperou dentro das terras de Abraão, Gn 13.5-13:” Ló, que ia com Abrão, também tinha rebanhos, gado e tendas.
6 E a terra não podia sustentá-los, para que habitassem juntos, porque eram muitos os seus bens; de sorte que não podiam habitar um na companhia do outro.
7 Houve contenda entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló. Nesse tempo os cananeus e os ferezeus habitavam essa terra.
8 Disse Abrão a Ló: Não haja contenda entre mim e ti e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos parentes chegados.
.9 Acaso, não está diante de ti toda a terra? Peço-te que te apartes de mim; se fores para a esquerda, irei para a direita; se fores para a direita, irei para a esquerda.
10 Levantou Ló os olhos e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada (antes de haver o SENHOR destruído Sodoma e Gomorra), como o jardim do SENHOR, como a terra do Egito, como quem vai para Zoar. 11 Então, Ló escolheu para si toda a campina do Jordão e partiu para o Oriente; separaram-se um do outro. 12 Habitou Abrão na terra de Canaã; e Ló, nas cidades da campina e ia armando as suas tendas até Sodoma. 13 Ora, os homens de Sodoma eram maus e grandes pecadores contra o SENHOR.
         Aparentemente Ló escolheu das terras de Abrão, a melhor parte para si, mas aconteceu que escolheu a cidade de Sodoma para morar. Tal cidade, mais tarde, foi destruída por Deus juntamente com Gomorra, por causa de sua perversidade. Era uma cidade do pecado, do homossexualismo, do estupro, da violência e da maldade. E Ló escolheu habitar lá. Um dia houve uma grande guerra entre os reis da região, e os reis capturaram os habitantes de Sodoma, inclusive Ló, seus pertences e sua família, ficando tudo sob o poder de Quedolaomer, um daqueles reis.
         Abrão sabendo que seu sobrinho Ló com sua família e seus pertences estavam presos sob o poder de Quedolaomer, reuniu 318 servos seus o foi a guerra para resgatar a Ló e sua família, com os seus bens.
         Quando Abrão voltava aconteceu o que está no texto dos versículos 17-24. Surgem diante de Abrão dois reis, cada um deles queria ser senhor sobre a vida de Abrão, e cada um deles propunha uma aliança a Abrão. O primeiro deles, está no versículo 17 era o rei de Sodoma, este rei representava a sua cidade, a cidade de Sodoma era a cidade do pecado, da perversidade e da maldade. Então esse primeiro rei que surge diante de Abraão podemos chama- de rei da perversidade, ou rei de Sodoma.  Mas, o segundo rei que aparece a Abrão, está no versículo 18,  Melquisedeque. Quando olhamos no texto o que esse rei trazia na mão o relacionamos automaticamente a Jesus: “Melquisedeque Rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo”. Melquiseque era sacerdote antes de quase quinhentos anos do sacerdócio ser instituído na lei de Moisés.
         Quem era esse sacerdote?
         Quem ele representava?
           Do que ele era Rei? Diz o texto: Rei de Salém , na língua hebraica isso quer dizer Rei da Paz. Quem é o Rei da paz? Jesus. Quem manifestou-se a Abrão nesse dia? O Rei da paz.


Hb 7.1-3:
“1 Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou, 2 para o qual também Abraão separou o dízimo de tudo (primeiramente se interpreta rei de justiça, depois também é rei de Salém, ou seja, rei de paz; 3 sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente.”
         Jesus , antes de se tornar homem manifestou-se várias vezes, e uma dessas manifestações foi através da figura de Melquisedeque.
         Então Abrão estava diante do rei de Sodoma, do rei da perversidade, ( que representava Satanás) e estava diante do Rei da Paz e da justiça que é o Senhor Jesus. E cada um desses reis propôs a Abrão uma aliança. E Abrão entendia que não e pode servir a dois senhores.
         Quem será o senhor sobre as nossas vidas?
      
Que aliança e que rei vamos aceitar em nossas vidas?

      1-A aliança com o rei da perversidade.


“Então, disse o rei de Sodoma a Abrão:Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo”(Gn 14.21).
         No que consiste a aliança do rei da perversidade? – Os bens valem mais que as pessoas.
         Abrão foi resgatar seu sobrinho Ló e com ele muitas pessoas, e também seus bens, e o rei da perversidade, lhe propôs a riqueza em detrimento das pessoas.
         Na aliança com o rei da perversidade, as pessoas tem maior interesse pelas riquezas do que umas pelas outras. Nessa aliança ,os bens valem mais que as pessoas, o prazer fala mais alto que a responsabilidade, asatisfação pessoal vale mais que a satisfação familiar,as  riquezas tornam-se nossos deuses, e a confiança no Deus que nos ama e abençoa fica de lado.
Abrão não aceitou essa aliança: v. 22 e 23:
. 22 Mas Abrão lhe respondeu: Levanto a mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o que possui os céus e a terra,
23 e juro que nada tomarei de tudo o que te pertence, nem um fio, nem uma correia de sandália, para que não digas: Eu enriqueci a Abrão;

2)A aliança com o rei da paz.
 "...abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; 20 e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo".(Gn 14.19-20).
     Melquisedeque ( o rei da paz) trouxe a Abrão uma simbologia da aliança , o pão e o vinho. Jesus também propôs essa simbologia conosco na ceia do Senhor, quando ele parte o pão e dá do cálice a beber para seus discípulos.
Existe uma proposta para nós de nos aliançarmos com o Senhor Jesus.
         Qual foi a resposta de Abrão, que afirmou sua aliança com Deus através de Melquisedeque? V. 20 b “E de tudo lhe deu Abrão o dízimo”. Antes da lei do dizimo, Abrão deu o dízimo.
           O dizimo não é apenas o cumprimento de uma regra bíblica, além de tudo, é um sinal que estamos aliados com Deus. Não é apenas dar 10¨% a igreja, não. Mas sim negarmos a aliança com o rei de Sodoma, e afirmarmos que somos aliados com Deus em tudo, inclusive nas nossas finanças. Só dizimando estaremos dizendo a Deus que o dinheiro não é o nosso senhor, mas sim o Rei de Salém, o Rei da paz é o nosso Senhor.
     Se as finanças não servirem ao reino de Deus através do alcance missionário, da ajuda ao necessitado, do sustento da igreja do Senhor estamos invertendo as prioridades e servindo mais as riquezas e deixando as pessoas a mercê da condenação do pecado, na ausência do envio missionário. “E como pregarão, se não forem enviados?” Rm 10.15.
    
Conclusão .
    Que você não faça uma aliança com o rei de Sodoma, aonde os bens valem mais que as pessoas, mas que sua Aliança seja feita com o Rei da paz, aonde seus bens são consagrados a Deus. E assim como  Abraão- “de tudo dar ao Senhor o dizimo".
Amém.


segunda-feira, 9 de abril de 2018

Guerreando como Benaia pelas nossas famílias



1 Cr 11.22-25

“Também Benaia , filho de Joiada, era homem valente de Cabzeel e grande em obras; feriu ele doi heróis de Moabe. Desceu numa cova e nela matou um leão no tempo da neve.
23 Matou também um egípcio, homem da estatura de cinco côvados; o egípcio trazia na mão uma lança como o eixo do tecelão, mas Benaia o atacou com um cajado, arrancou-lhe da mão a lança e com ela o matou.
24 Estas coisas fez Benaia, filho de Joiada, pelo que teve nome entre os primeiros três valentes.
25 Era mais nobre do que os trinta, porém aos três primeiros não chegou, e Davi o pôs sobre a sua guarda.

     Diariamente enfrentamos batalhas, e somos chamados para ser valentes em nossas guerras, mas a nossa valentia não depende  da força humana, mas do poder de Deus. Existe uma luta que todos nós devemos travar, que é a luta pelas nossas famílias, e a cada dia somos chamados a matar um leão para o bem de nossas  famílias.
Davi foi o  segundo Rei em Israel, e foi perseguido pelo primeiro, que foi Saul. Durante o período em que foi perseguido pelo rei Saul, aos poucos, aglomerou-se ao redor de Davi uma força de combate composta pelos mais diferentes tipos de pessoas: Parentes; endividados; rejeitados da sociedade; descontentes de todos os gêneros. 
1º Sm 22.1 e 2:
“Davi se refugiou na caverna de Adulão; quando ouviram isso, seus irmãos e toda a casa de seu pai desceram para ter com ele. Ajuntaram-se a ele todos os homens que se achavam em aperto, os endividados, e os amargurados de espírito, e ele se fez chefe deles; e eram com ele uns 400 homens.”
(1ºSm.22:1,2)

Apesar das diferenças, estes indivíduos tinham algo em comum: A Lealdade Total a Davi!
No texto que lemos aparece o nome de um desses valentes guerreiros que se juntaram a Davi, Benaia , cujo o nome quer dizer: “O SENHOR edifica”. O início do relacionamento entre Davi e Benaia provavelmente veio dessa época, quando Davi refugiava-se no deserto para se livrar das investidas de Saul.
Entre esses guerreiros destacavam-se dois grupos militares de elite: “os três” e “os trinta”.
Mesmo que não estivesse entre “Os Três”, o qual era composto por Josebe-Bassebete, Eleazar e Samá ; Benaia era considerado por Davi como “valente e de grandes feitos” e contado com maior honra do que qualquer outro pertencente ao destacamento “os trinta” (1ºCr.11:22-25).
- Benaia guerreou em favor de Davi, em favor de Israel e em favor de seus companheiros de batalha.
Benaia observou que seu líder era fiel a Deus, e decidiu ser leal a Davi. E assim foi, até os últimos dias de vida do rei. O monarca o colocou como chefe de sua segurança pessoal:
“Também Benaia, filho de Joiada, era homem valente de Cabzeel e grande em obras; feriu ele dois heróis de Moabe. Desceu numa cova e nela matou um leão no tempo da neve. Uma vez ele matou um egípcio que tinha dois metros e quarenta centímetros de altura. A lança do egípcio era tão grossa como o eixo que os tecelões usam. Mas Benaia o enfrentou apenas com um cajado. Arrancou dele a lança e com esta matou o adversário. Ele era quase tão importante como Os Três, e era mais nobre do que Os Trinta. Davi nomeou Benaia como capitão da sua guarda pessoal.”
(1ºCr.11:22-25)

Olhando para Benaia, podemos tirar da vida dele alguns ensinos e métodos para guerrearmos pela nossas famílias e igreja:
Assim como Benaia guerreou por Davi e Israel, precisamos também guerrear pelas nossa famílias:


1)  Para guerrearmos pelas nossas famílias é preciso abnegação – v.22
“Também Benaia , filho de Joiada, era homem valente de Cabzeel e grande em obras; feriu ele dois heróis de Moabe. Desceu numa cova e nela matou um leão no tempo da neve.

       O que significa Abnegação? De acordo com o Wikdicionário significa:

      Benaia desceu numa cova e nela matou um leão. Quando fez isso Benaia pensou em seu grupo, em seus companheiros de guerra. Covas eram  abertas como armadilhas para capturar soldados, e nelas ficavam lanças para matar. O leão entrou na cova para buscar carne. Benaia percebeu o leão e percebeu o perigo de algum de seus companheiros caírem e desprevenidos serem devorados pelo leão.

             Benaia poderia ter deixado o leão quieto na cova, e seguir seu caminho, então era mais tranquilo pensar em seu próprio bem, em sua própria “saúde”. Mas ele assumiu os riscos pelo seu exército e seu povo e matou o leão.
Isso se chama abnegação, é disso que precisamos para vivermos em família. Benaia renunciou sua própria vontade, desapegou-se de seus próprios interesses e foi generoso mesmo que custasse sua própria vida.

2)  Para guerrearmos pelas nossas famílias é preciso coragem
22“Também Benaia , filho de Joiada, era homem valente de Cabzeel e grande em obras; feriu ele doi heróis de Moabe. Desceu numa cova e nela matou um leão no tempo da neve. 23 Matou também um egípcio, homem da estatura de cinco côvados; o egípcio trazia na mão uma lança como o eixo do tecelão, mas Benaia o atacou com um cajado, arrancou-lhe da mão a lança e com ela o matou.
Assim como Davi foi valente matando um urso, um leão e o gigante Golias, seu valente também em guerra matou um gigante Egípcio de 2,40 cm. Ele com um cajado de pastorear ovelhas desarmou o gigante de sua lança, e com ela o matou.
2 Timóteo 1.7 Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.
Não podemos temer os gigantes que se levantam contra nossas famílias, mas em nome de Jesus com a oração e com o jejum e ainda louvando a Deus venceremos. O que não podemos fazer é correr e temer.
Precisamos, com coragem resolver os problemas não resolvidos, buscar as soluções em Deus e resolvermos não desistir de nossas famílias. 
Paulo escreve a Timóteo que Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas o seu Espirito Santo que é cheio de poder, moderação e amor.

3)Para guerrearmos pelas nossas famílias é preciso lealdade
       Benaia foi leal a Davi até o fim de seus dias, sua lealdade era tal que recusou-se a participar da rebelião de Adonias (filho de Davi, que desejava suceder o pai no trono). Permaneceu ao lado do rei, apoiando-o em suas escolhas:
“Porém Zadoque, o sacerdote, e Benaia, filho de Joiada, e Natã, o profeta, e Simei, e Reí, e os valentes que Davi tinha não apoiavam Adonias.”
(1ºRs.1:8)
       Além de se tornar encarregado da segurança pessoal de Davi, o rei confiou a Benaia as providências necessárias para que Salomão fosse proclamado rei.
        Só existe um casamento quando a lealdade cria uma base sólida para confiança. Também é preciso lealdade  para se viver uma vida de honra aos pais:
Deuteronômio 5.16 Honra a teu pai e a tua mãe, como o SENHOR, teu Deus, te ordenou, para que se prolonguem os teus dias e para que te vá bem na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá.
Conclusão
Olhando para Benaia, podemos tirar da vida dele alguns ensinos e métodos para guerrearmos pela nossas famílias e igreja:
Assim como Benaia guerreou por Davi e Israel, precisamos também guerrear pelas nossa famílias:


1    -Para guerrearmos pelas nossas famílias é preciso abnegação – v.22
É preciso descer a cova do leão para livrarmos nossas famílias.
2-       Para guerrearmos pelas nossas famílias é preciso coragem
É preciso matar o gigante, enfrentando os problemas com oração e com decisões.
3)Para guerrearmos pelas nossas famílias é preciso lealdade
Lealdade é fidelidade e honra, tudo isso é expressão do amor de Deus em nossas famílias.
1 Co 13. 7 e 8, fala-nos sobre o amor: “ tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. 8. O amor jamais acaba”..
Que guerreemos como Benaia, por amor as nossas famílias.







Sou do meu amado e o meu amado é meu

Uma palavra de Deus pra você

Assista e compartilhe

Devocionais do amor de Deus: Deus se importa com os teus pequenos problemas

Devocionais do amor de Deus: Deus se importa com os teus pequenos problemas : "6  Não se vendem cinco pardais por duas moedinhas? Contu...